Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

 

O ano de 2017 foi especialmente positivo para a indústria de fundos, que pela primeira vez superou o volume de R$ 4 trilhões, segundo dados da Anbima. A captação líquida também alcançou um patamar recorde, atingindo a marca de R$ 233 bilhões no ano. Este crescimento é um reflexo direto de uma maior sofisticação do mercado financeiro nacional, onde as instituições têm ampliado a oferta de produtos, enquanto os investidores estão cada vez mais atentos às diferentes alternativas de investimento. Neste contexto, as plataformas digitais têm desempenhado um papel fundamental, ao facilitar o acesso do público em geral aos melhores produtos do mercado.

Os fundos Multimercados foram responsáveis por mais de 49% de todo volume captado no ano, contra apenas 30% dos fundos de Renda Fixa. Esses números representam uma quebra de paradigma no mercado brasileiro, em que os fundos de Renda Fixa tradicionais sempre dominaram as estatísticas. O maior apetite pelos Multimercados pode ser explicado pela expressiva queda na taxa de juros no país e pela excelente performance que a classe apresentou nos últimos anos. Porém, acreditamos que os investidores também estão cada vez mais conscientes da importância de manter um portfolio diversificado, sendo a classe um instrumento muito interessante para esta finalidade. Vale ainda ressaltar que, ao longo de 2017, observamos uma maior “internacionalização” na gestão dos Multimercados, um aumento no tamanho das equipes das gestoras e o lançamento de diversos produtos com maiores níveis de risco. Julgamos que estas tendências são muito saudáveis para indústria local, e deverão se intensificar ao longo de 2018.

Além da captação, os Multimercados também foram destaque de performance no ano. Dos 41 fundos Multimercados disponíveis na plataforma da Guide, 34 (83%) tiveram performance acima do CDI. Esses fundos apresentaram um retorno médio ponderado de 151,9% CDI no ano. No primeiro semestre do ano, a principal tese dos gestores se baseou na expectativa de queda relevante da inflação no país, que se mostrou acertada. Neste sentido, as posições aplicadas nos juros futuros foram responsáveis pelas principais contribuições positivas. Já no segundo semestre, muitos gestores passaram a trabalhar com um cenário mais construtivo para o crescimento do país. Assim, ficou cada vez mais comum identificar nas carteiras dos fundos posições compradas na bolsa brasileira. Este posicionamento também se mostrou muito acertado.

Para 2018, esperamos um ambiente econômico local favorável, com inflação controlada, juros baixos e retomada da atividade. Porém, acreditamos que será um ano de muita volatilidade, devido à dinâmica eleitoral e à evolução da reforma da previdência. Será necessário ter muito sangue frio para navegar neste mercado e aproveitar as oportunidades. Neste sentido, a alocação de recursos em fundos com mandatos flexíveis e com uma gestão profissional certamente faz muito sentido.

Leonardo Uram – Responsável por Fundos de Investimentos da Guide

Guide Investimentos Guide Investimentos

Corretora de Investimentos

781 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami