IR 2019: O encontro com o Leão

tags Iniciante

A data para a entrega do seu Imposto de Renda referente a 2018 está chegando e é preciso se organizar para não perder o prazo. Entre março e abril, a Receita Federal espera cerca de 30 milhões de declarações dos contribuintes brasileiros e quem não tiver o encontro com o leão no prazo terá que arcar com uma multa.

No ano de 2018, foram arrecadados com o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) cerca de R$ 200 bilhões, 0,7% acima do valor de 2017 e correspondendo por 17,8% do total de arrecadações administradas pela Receita Federal do Brasil. Dentre esses resultados, podemos citar o aumento dos ganhos líquidos em operações em bolsa (8,25%), avanço nominal da massa salarial (2,82%), pagamentos associados com a PLR (18,75%), dentre outros.

A restituição de parte do imposto pode ocorrer quando há diferença do valor pago para a receita durante o ano e o que foi declarado pelo contribuinte, que deve receber o valor provavelmente a partir de junho. Naturalmente, se o valor declarado for superior ao efetivamente pago, o declarante terá que contribuir com a diferença. Não precisamos nem lembrar do cuidado para não cair na tal “malha fina”.

Os obrigatórios

Vamos destacar apenas duas situações de obrigatoriedade da declaração, lembrando que as demais estão disponíveis no site da Receita Federal:

– Recebeu rendimentos tributáveis, cuja soma anual foi superior a R$ 28.559,70, ou não isentos, mas que superem R$ 40.000,00;

– Obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas

No geral, é importante lembrar que você deve declarar se tiver feito movimentação com ativos tais como Ações, Renda Fixa (como Títulos públicos, CDB, Debêntures) e Fundos de Investimento.

Mais precisamente, aqui vai uma breve lista do que deve ser declarado, com as situações mais comuns: posição em ações, contratos de opções, termo, juro sobre capital próprio, ganho e prejuízo das operações, saldo aplicado nos fundos (que tem alíquotas diferentes dependendo de se for de ações, renda fixa ou imobiliário), títulos públicos (LTN, LTF, NTN-B) e privados (CDB e debêntures), e etc.

Vale lembrar que o IR já foi descontado automaticamente quando você fez o resgate do valor ou o ativo chegou seu vencimento.

Por outro lado, há um conjunto de aplicações que são isentas e que você não precisa se preocupar na hora de declarar, a saber: a poupança, Letra de Crédito Imobiliário (LCI),  Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI), Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e as debêntures incentivadas de infraestrutura.

Teremos algumas novidades em 2019: agora há obrigatoriedade na declaração do CPF de todos os dependentes da pessoa, independente da idade, algumas doações para o exterior e também haverá a necessidade de maior detalhamento dos bens declarados.

A declaração cautelosa é essencial para não cair na tal da “malha fina”, que é um procedimento mais rigoroso de checagem nas diversas declarações do contribuinte e outras informações disponíveis na receita em busca de inconsistências e que pode gerar uma multa como percentual do imposto que pode pesar no seu bolso.

Portanto, a temporada de encontros com o Leão em 2019 está chegando e é melhor começar a organizar as papeladas, conseguir os documentos necessários, pois quanto antes você declarar, mais cedo receberá uma possível restituição.

 

Dúvidas de como declarar seus investimentos no Imposto de Renda?

 

Terraco Econômico Terraco Econômico

Parceiro Guide

Hoje o maior blog independente de economia do Brasil, foi criado por 4 amigos em 2014, o motivo? Fornecer análises claras e independentes sobre economia e finanças, sempre com a missão de informar o leitor.

3493 visualizações

relacionados

Bitnami