Anos 2010: década mais que perdida

tags Iniciante

Segundo estudo recente do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), teremos nos anos 2010 o pior crescimento médio de PIB em 120 anos. Caso você tenha ouvido falar nos últimos anos que esta seria uma “década perdida”, tal qual se atribui aos anos 1980, é hora de confirmar tal expectativa. Essa será a década mais “perdida” em mais de um século.

Há uma miríade de razões que explicam esse resultado e, na prática, seria pouco pertinente apontar apenas uma ou duas para resumir toda a questão. Porém, todo esse conjunto de medidas tem um nome: descaso com o longo prazo.

Nosso campo de políticas públicas, tanto à direita quanto à esquerda, sempre foi repleto de preocupações com causas que não costumam afetar tanto o longo prazo. Na dúvida, basta olharmos três dados alarmantes que nos colocam em posição vergonhosa.

Metade da população brasileira não tem acesso a saneamento básico. Esse tipo de problema, que poderíamos imaginar no século XIX mas é altamente preocupante que seja um dado dos dias recentes, contribui para a continuidade de doenças contagiosas e a difícil batalha de enxugamento de gelo que é a de todos os anos com os desembolsos públicos na saúde.

Menos de 10% dos brasileiros consegue entender bem o que lhe é dito e se expressar adequadamente. Este número surreal mostra como é fácil de entender que nosso atoleiro econômico não tem solução fácil: a partir deste dado podemos depreender, por exemplo, a ocorrência em diversos setores da existência de vagas que não são preenchidas porque não se têm candidatos preparados em número e qualificação suficiente.

Dos quase 200 países analisados em termos de facilidade de fazer negócios, estamos na segunda centena. Burocracia, dificuldades diversas e uma quantidade inominável de imbróglios e embaraços tornam a atividade empreendedora quase um sinal de heroísmo por aqui.

Provavelmente o leitor deve lembrar agora também de nosso problema com as contas públicas, que tem nos trazido a uma situação de aumento de carga tributária e dívida pública ano após ano – com exceção aos anos 2000, em que a China impulsionava bastante nossa economia e os superávits do período nos permitiram aliviar essa trajetória sensivelmente (o que inclusive deu a ilusão de que, já que os problemas estavam todos resolvidos e o sol brilhava, não era preciso trocar o telhado que já dava sinais de estar bastante desgastado). Ou ainda do nosso descuido quase que sempre presente em termos de nossa produtividade (que está estagnada há décadas).

Tudo isso culminou no pior biênio em termos de PIB da história do país (2015-2016) e, conhecemos agora, na pior década em 120 anos.

O que não faltam são motivos para explicar o porquê desse resultado tão ruim. A única notícia boa disso tudo, é que, quando estamos em uma situação muito negativa, há muitos exemplos bons a replicar para que o bom resultado volte a ocorrer. Ou então, que aceitemos que a realidade é ficarmos presos no tempo em termos de renda.

 

Terraco Econômico Terraco Econômico

Parceiro Guide

Hoje o maior blog independente de economia do Brasil, foi criado por 4 amigos em 2014, o motivo? Fornecer análises claras e independentes sobre economia e finanças, sempre com a missão de informar o leitor.

639 visualizações

relacionados

Bitnami