5 erros financeiros que cometemos aos 20 anos

Enquanto somos jovens, é muito comum cometermos uma série de erros financeiros. As causas desses erros são as mais diversas: falta de experiência, falta de educação financeira, vontade de aproveitar a vida agora… E, como consequência, terminamos deixando de lado nossa vida financeira.

No entanto, esses erros podem custar muito caro, sobretudo porque os jovens têm o tempo a seu favor e, se bem utilizado, isso pode fazer uma baita diferença no futuro.

Por essa razão, separei 5 erros financeiros que cometemos aos 20 e poucos anos.

Erro #1: Não começar a investir o quanto antes

Os jovens possuem muitas crenças limitantes em relação ao dinheiro, tais como: “Sou muito novo para investir”, “Ainda tenho muito tempo pela frente” ou “Tenho pouco dinheiro para investir”.  Todas elas estão completamente erradas, pois quanto antes você começar a investir, maior será o efeito dos juros compostos em seus investimentos (explicarei melhor nos próximos parágrafos).

Além disso, pouco dinheiro também não é desculpa porque, hoje, você pode fazer bons investimentos a partir de apenas R$ 30, como é o caso do Tesouro Direto.

Erro #2: Falta de disciplina

Algumas vezes, os jovens até dão o primeiro passo e começam a investir, mas não mantêm a consistência. Por isso que é tão importante definir um valor que realmente caiba em seu orçamento (mesmo que seja de apenas R$ 30) para, assim, aplicar todos os meses e criar o hábito de investir.

Quando você cria o hábito de investir, mesmo que pouco dinheiro, seus resultados costumam ser muito acima da média.

Erro #3: Falta de paciência

Esse talvez seja o erro mais comum, sobretudo entre os jovens, por conta da ansiedade de ver resultados rápidos. Como a velocidade de crescimento do patrimônio é baixa nos primeiros anos, surge uma frustração por falta de entendimento sobre o poder dos juros compostos.

Juros compostos são o resultado da rentabilidade do investimento que é reinvestida todos os meses, aumentando o montante principal e rendendo juros sobre juros, num efeito bola de neve.

A combinação entre disciplina, juros compostos e paciência resulta em riqueza para você.

Para mostrar como os juros compostos funcionam, vou usar seguinte exemplo: investimento mensal de R$ 100 a uma taxa de 0,8% ao mês.

Depois de 5 anos, você teria investido R$ 6 mil, mas teria acumulado R$ 7.662.

Depois de 10 anos, você teria investido R$ 12 mil, porém teria agora mais de R$ 20 mil.

Depois de 20 anos, você teria investido R$ 24 mil e acumulado mais de R$ 72 mil.

Depois de 30 anos, você teria investido R$ 36 mil e acumulado mais de R$ 207 mil.

Depois de 40 anos, você teria investido R$ 48 mil e acumulado mais de R$ 560 mil.

Depois de 50 anos, você teria investido R$ 60 mil e acumulado quase R$ 1,5 milhão.

Provavelmente você deve estar pensando que um prazo de 50 anos é muito longo. E, de fato, é mesmo. Mas pare para pensar: se você começa a investir com 20 anos de idade, daqui a 50 anos você teria 70 anos. Com o avanço da medicina e aumento da expectativa de vida, 70 anos provavelmente será uma boa idade.

Ainda mais importante: com o passar do tempo, seu crescimento profissional resultará num aumento de renda e, consequentemente, aumento no potencial de investimento mensal. Então você pode antecipar em vários anos sua aposentadoria com o aumento dos aportes mensais.

Erro #4: Foco no dinheiro

Quando eu estava na casa dos 20 anos, cometi por três vezes exatamente o mesmo erro: sempre que eu me deparava com duas oportunidades de trabalho (seja estágio ou emprego), onde uma delas traria mais aprendizado e a outra traria mais dinheiro, e decidia (equivocadamente) pela alternativa de maior remuneração.

Na maioria dos casos, a diferença financeira pouco acrescenta para seu futuro, mas o incremento de conhecimento pode fazer toda a diferença em sua vida profissional.

Da mesma maneira, sempre que possível invista em sua educação financeira. Esse é o principal fator que diferencia as pessoas que têm sucesso financeiro daquelas que passam a vida enfrentando problemas com o dinheiro.

Pensando nisso, a Guide criou o aplicativo “O Guia Financeiro”, que nasceu com o propósito de agregar muito conteúdo de qualidade, onde você pode personalizar aqueles assuntos que mais se alinham ao seu interesse, de modo a aprender com muito mais foco.

Erro #5: Consumismo exagerado

O maior problema não é o consumismo, afinal todos nós temos nossos desejos por algumas roupas, sapatos, viagens ou acessórios. O maior problema é o consumismo exagerado. Aquele ponto em que se gasta tudo (ou até mais) do que ganha, destruindo qualquer possibilidade de se investir mensalmente.

E aqui está o pior hábito: quem gasta tudo que ganha quando tem pouco dinheiro fará exatamente o mesmo quando tiver um aumento de renda. Você precisa aprender a viver abaixo de suas possibilidades, independente de quanto você ganha.

Conclusão

Eu sei que isso tudo parece muito mais fácil de falar do que fazer. No final das contas, educar-se financeiramente não é fácil, mas é totalmente possível e está ao alcance de qualquer pessoa com o mínimo de comprometimento e força de vontade.

Minha dica é que você abra hoje mesmo sua conta na Guide para fazer seu primeiro investimento, contar com a ajuda de uma equipe extremamente competente e disposta a te ajudar e começar a se familiarizar com o mundo dos investimentos.

Rafael Seabra Rafael Seabra

Embaixador Guide Investimentos

Educador financeiro e autor do best-seller Quero Ficar Rico, livro mais vendido do Brasil segundo a Veja (edição 2496). Conquistou a independência financeira antes dos 30 e quer ajudar você a alcançar o mesmo objetivo, independente da sua idade.

536 visualizações

Relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami