Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

10 filmes de economia e finanças que você não pode deixar de assistir

 

Caio Augusto – Terraço Econômico

Inside Job (2010)

Crises financeiras podem ser previstas? Alguns dizem que é impossível, outros conseguem ouvir o barulho das coisas sendo quebradas pelo tsunami que chega. De qualquer maneira, quando o assunto é a crise internacional de 2008, iniciada nos EUA, muito do que se observa após o ocorrido sinaliza que era possível saber o que vinha a seguir.
O documentário, vencedor do Oscar em 2011, apresenta como a realidade surreal de endividamento dos bancos – esta que, em alguns casos, chegava em incríveis 33 para um -, de derivativos financeiros altamente complexos que inundaram o mercado baseando-se majoritariamente em crédito e não em ativos reais (conhecidos como títulos securitizadores), de vista grossa de autoridades reguladoras e de uma política interna das instituições financeiras de oferecer aos clientes ativos de reconhecida péssima qualidade como sendo ideais (com foco nos imensos bônus baseados no elevado risco do que vendiam) permitiu que um verdadeiro colapso esperado ocorresse a partir de 2008.

 

 

Leonardo Siqueira – Terraço Econômico

Hank: Cinco anos depois do Colapso (2013)

Para quem quer sentir como funciona o mercado financeiro em tempos de crise este é o documentário. Henry Pauson foi nomeado secretário do tesouro pelo presidente George W. Bush em 30 de maio de 2006. Hank: Cinco anos da Brink conta a história da liderança sob uma pressão inimaginável. Como Secretário do Tesouro, Hank – como era chamado – foi encarregado de evitar um colapso da economia global durante a crise financeira de 2008. Ele enfrentava um problema clássico de economia: o Moral Harzard. Deveria socorrer os bancos e abrir uma brecha para que todos soubessem que no futuro eles também seriam socorridos? Ou permitir os bancos quebrarem contaminando a economia inteira? Paulson fez um pouco de cada. No documentário ele mostra como estrategicamente improvisou para persuadir os bancos, o congresso e os candidatos presidenciais a assinar quase US$ 1 trilhão em resgates.

 

 

 

Pedro Lula Mota – Terraço Econômico

The big short (2015)

A grande aposta é o típico filme que, invariavelmente, teria de demorar alguns anos para vir à tona, pois trata-se de um enredo sobre acontecimentos muito específicos durante a crise de 2008, chegado ao nível de quase crônica com leves pitadas de comédia. O filme acontece com algumas histórias paralelas, mas que giram em torno da mesma problemática: a grande crise do mercado imobiliário americano, e como alguns (poucos) investidores conseguiram antecipar tal evento e montaram posições para lucrar com ela (daí um nome do filme “the big short”, que em termos de mercado nada mais é que apostar na queda de um ativo, no caso, na queda de toda a economia americana). Ademais, a atuação de Cristian Bale dispensa comentários, como de Steve Carell, Brad Pitt e Ryan Gosling, que incorporaram os caricatos personagens do mercado financeiro de forma única.

 

 

 

 

Victor Candido – Terraço Econômico

Wall Street: Poder e cobiça (1987)

Esse é o primeiro grande filme sobre mercado financeiro. Rendeu o oscar de melhor ator para Michael Douglas, que faz o gestor de ações criminoso, Gordon Gekko. O filme é uma das poucas oportunidades de ver Charlie Sheen em seu auge. O filme mostra os bastidores do mundo dos grandes negócios da década de 1980, seguindo um ambicioso e jovem corretor da bolsa, Buddy Fox (Charlie Sheen), que sonha em conhecer o seu ídolo, Gordon Gekko (Michael Douglas) um milionário ganancioso e frio. Quando surge essa oportunidade, Fox vê-se atraído para o mundo altamente lucrativo das negociações a partir de informações privilegiadas. Após alguns negócios, Bud consegue adquirir o estilo de vida sempre desejado. Porém, Bud acaba por descobrir que o preço a pagar por esta ascensão meteórica é a prisão.

 

 

Arthur Lula Mota – Terraço Econômico

Uma Mente Brilhante (2002)

Para os amantes da Economia e da Matemática, o filme “Uma Mente Brilhante”, que recebeu Oscar, conta a história do gênio matemático e ganhador do prêmio Nobel em Economia, John Forbes Nash. Interpretado por Russel Crowe, o filme retrata os desafios da esquizofrenia, doença que Nash começou a mostrar sinais em 1959 e que o levou a passar vários anos em hospitais psiquiátricos. Nash deu inúmeras contribuições à ciência, dentre elas, as mais notórias em Teoria dos Jogos, Geometria Diferencial e Equações Diferenciais Parciais. A descoberta de Nash gerou um grande impacto na teoria econômica, com implicações importantes para a microeconomia, macroeconomia e finanças. É importante, para finalizar, destacar que Nash obteve seu Ph.D. em 1950 com uma dissertação de 28 páginas sobre Jogos Não Cooperativos.

 

 

 

Arthur Solowiejczyk – Terraço Econômico

Lobo de Wall Street (2014)

Dinheiro, trabalho, dinheiro, festas, dinheiro, mulheres, dinheiro, drogas, dinheiro, polícia. Esse é mais ou menos o desenrolar da trajetória pessoal de Jordan Belfort (estrelado por Leonardo DiCaprio), corretor da bolsa de valores em meados da década de 90. Negociando principalmente ações do tipo penny stocks – com valor inferior a US$ 1 – Belfort faz fama e dinheiro, transforma uma empresa de garagem, a Stratton Oakmont, em uma das maiores corretoras de ações da época e, com isso, acaba atraindo a atenção do FBI devido aos seus métodos pouco transparentes. Mas nada é páreo para alguém que enxerga a lei como mero obstáculo do pleno sucesso nos negócios.

 

 

 

 

 

David Sousa – Guide Investimentos

Freakonomics (2010)

E se aquilo que todo mundo acredita não for bem assim? Freakonomics é um filme-documentário que desafia o senso comum. Idealizado pelo economista Steven Levitt, em parceria com o jornalista Stephen Dubner, Freakonomics usa a teoria econômica aplicada para construir e desconstruir ideias sobre diversos temas do cotidiano, como comportamento dos agentes no mercado imobiliário, criminalidade e educação.

 

 

 

 

 

Bruno Carvalho – Guide Investimentos

The Founder/Fome de poder (2016)

O Filme mistura uma história de perseverança e determinação, com biografia e sugere que para ter êxito no mundo dos negócios, talvez seja preciso fazer algo moralmente não muito simpático. Conversando com outras pessoas de diversas profissões diferentes sobre o filme, percebemos tanto “apoiadores” quanto “opositores” à atitude do personagem vivido por Michael Keaton. O filme traz conceitos de inovação, negociação de contratos, administração, finanças e de recrutamento e seleção, além de ser muito interessante assistir a história e a construção da empresa e marca (acredite, o logo com o famoso “M” dourado não vem desde os seus primórdios) que está tão enraizada na nossa cultura atualmente.

 

 

 

 

Ignacio Crespo – Guide Investimentos

Rogue Trader/A Fraude (1999)

Para muitos profissionais de mercado financeiro, este é um clássico, uma vez que é baseado numa história real, e tem situações bastante fidedignas, comparáveis a situações dos tempos de hoje (mesmo sem a existência do pregão ao vivo). A principal lição do filme para os atuais ou futuros empresários é que “a raposa não cuida do galinheiro”, expressão muito usada nas empresas para ilustrar a separação de funções, por exemplo, de uma área comercial e de controladoria. Mas o filme vai além, trazendo conceitos de mercado financeiro, mercado futuros, controle de risco e de seleção e retenção de talentos. O espectador, ao final do filme, vendo o que ocorreu, se pergunta: “isso tudo aconteceu mesmo?”.

 

 

Denise Carvalho – Guide Investimentos

Le Capital (2012)

Como diz uma das personagens do filme, “o dinheiro nunca dorme”. E em Le Capital, além de manter-se acordado o tempo inteiro, ele anda de mãos dadas com o poder. Por isso, toda a trama pode ser resumida à saga de Marc, que assume a presidência do banco Phoenix e começa a mover-se sempre em busca de ganhar mais (dinheiro e poder).
Demissões em massa e manobras financeiras duvidosas mostram um lado fictício nada agradável do mercado financeiro, que gera curiosidade quanto aos limites do protagonista (ou pela falta deles), exemplificados pela máxima:

– O que você sabe fazer?
– Tudo. Desde que seja legal.
– E se for ilegal?
– Tudo. Só muda o preço.

Guide Investimentos Guide Investimentos

Corretora de Investimentos

5208 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami