Segundo Tempo: políticas preservadas

tags Intermediário

Introdução: No exterior, o clima de menor aversão a risco continua. Espera-se algum acordo na Itália. Nos EUA, dados de atividade ficaram marginalmente abaixo do esperado – algo que contribui para manter o dólar mais fraco nesta sessão. Atenções para os dados de amanhã (inflação) e sexta-feira (Relatório de Empregos). No Brasil, nota oficial do governo contradiz fala de Temer. Projeções de crescimento para 2018 seguem com viés baixista. DIs e percepção de risco país continuam em alta, apesar do exterior.


CENÁRIO EXTERNO: CLIMA DE MENOR AVERSÃO A RISCO CONTINUA.

O “básico” sobre os mercados… As bolsas da Europa mantém viés mais positivo nesta sessão, enquanto as bolsas de NY recuperam perdas. Ao redor das 15h, horário de Brasília, o índice S&P 500 subia 1,3%. O dólar segue em baixa frente a seus principais pares; e os juros das Treasuries seguem em alta (juros de 10 anos ao redor de 2,85%). O petróleo (brent) sobe mais de 2%, cotado na casa dos US$77/barril. Ainda vemos um recuo da percepção de risco no exterior.

Sobre a crise italiana… O mercado mantém a esperança de que novas eleições sejam evitadas, diante de conversas entre os partidos La Liga e Movimento 5 Estrelas. Os juros de 2 anos, que atingiram a marca de 2,72% ontem, voltaram a ficar abaixo de 2,0%. Alguns investidores, após movimentos recentes, aproveitaram para comprar títulos do país. À frente, acreditamos que a volatilidade tende a voltar.

PIB americano cresceu 2,2%… A nova leitura do PIB do 1º tri nos EUA saiu hoje, e o número foi revisado de 2,3% para 2,2% t/t (em termos anualizados). Seja como for, o ritmo segue forte, e acima do chamado “potencial”. Isto corrobora a perspectiva de uma economia que continuará colocando um viés altista à inflação.

E o mercado de trabalho dos EUA? Segundo relatório ADP, em maio foram criadas 178 mil vagas formais. O mercado esperava 190 mil. O número de abril foi revisado para baixo, de 204 mil para 163 mil. Agora, as atenções se voltam ao Relatório de Empregos, que sairá na 6ª. Estes números mais fracos do que o esperado, seja como for, mantém o dólar mais fraco hoje.


BRASIL: PROJEÇÕES DE ATIVIDADE SEGUEM COM VIÉS BAIXISTA.

Sobre a Petrobrás: não é bem assim… Após declarações de Temer – afirmando que o governo poderia “reexaminar” as políticas de preços da Petrobras –, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência soltou uma nota oficial. Segundo a nota, “O governo do presidente Michel Temer tem compromisso com a saúde financeira da Petrobras”. Mais: “As medidas anunciadas […] preservam, como continuaremos a preservar, a política de preços da Petrobras”.

Primário do setor público consolidado… Em abril, o setor público consolidado apresentou superávit de R$ 2,9 bilhões. A mediana do mercado esperava um superávit mais forte, de R$8,2 bi. O governo central registrou superávit de R$5,4 bi; os governos regionais tiveram déficit de R$2,5 bi; e as empresas estatais ficaram no zero a zero. Desta forma, no acumulado em 12 meses, o déficit primário consolidado piorou de 1,6% para 1,8% do PIB.

PIB do 1º tri cresce 0,4%… A economia brasileira cresceu, na série com ajuste sazonal, 0,4% frente ao trimestre anterior. Ficou marginalmente acima da expectativa do mercado (+0,3%). Em relação ao 1º tri de 2017, a economia cresceu 1,2%. Para 2018, no entanto, o viés das projeções do mercado seguem em baixa. Hoje, segundo o Focus, projeta-se um crescimento de 2,37%. O mais provável é que estas projeções migrem para algo mais próximo de 2,0%. Efeitos diretos e indiretos das paralizações recentes ainda vão sendo digeridos.

Ainda sobre o PIB… Na ótima da demanda, o crescimento foi puxado pelo consumo das famílias (+0,5% t/t), e pela formação bruta de capital fixo (+0,6% t/t). Mas vale fazer uma diferenciação: enquanto o consumo acelerou (havia crescido 0,1% no tri anterior), os investimentos desaceleraram (havia crescido 2,1% no tri anterior).

E os mercados? A recuperação dos mercados locais foi, de fato, pontual. Difícil vislumbrar movimentos de recuperação mais estrutural. O ambiente ainda demanda cautela, em nossa opinião. Pela frente, temos 2 ou 3 meses ainda turbulentos no front político. No front macro, os juros deixaram de cair e as projeções de crescimento contêm um viés baixista, como falamos anteriormente. Neste contexto, dólar voltou a subir, embora opera próximo à estabilidade ao redor das 15h30. DIs sobem, em linha com a percepção de risco, que sobe mais de 2%. O Ibovespa, por outro lado, se mantém em alta, puxada especialmente pelos papéis de Vale.


    Sobre as oscilações do pregão:

    Ibovespa: : +0,70%, aos 76.600 pontos;
    Real/Dólar: +0,15%, cotado a R$3,7333;
    Dólar Index: -0,65%, 94,205;
    DI Jan/21: -04 pontos base; 8,91%;
    S&P 500: +1,36%, aos 2.726 pontos.

    *Por volta das 15h28, horário de Brasília. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.

    Contatos

    Renda Variável*


    Luis Gustavo Pereira – CNPI
    [email protected]

    Equipe Econômica

    Ignácio Crespo
    [email protected]

    Lucas Stefanini
    [email protected]

    Rafael Gad
    [email protected]

    *A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
    “Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 17 da Instrução CVM nº. 483/10, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
    Ignacio Crespo Ignacio Crespo

    Economista

    Mestre em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/EPGE), e graduado em Ciências Econômicas pelo INSPER. Foi professor assistente do Mestrado Profissional em Economia do INSPER, ministrando aulas sobre Macroeconomia e Política Monetária. De 2013 até agosto de 2018 atuou como economista-chefe da Guide Investimentos. Desde então, atua como consultor externo da Guide.

    263 visualizações

    relacionados

    Bitnami