Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Mercados Hoje: último dia

Introdução: Na Ásia, o banco central do Japão decidiu manter as políticas de estímulo inalteradas, e a China reportou números de atividade abaixo do esperado. O dólar opera ligeiramente mais fraco frente a desenvolvidos nesta sessão. As commodities recuam. O clima é de cautela lá fora, à espera dos dados americanos (renda, consumo, e inflação). No Brasil, no front político: (1) decisão do TSE pode impedir Lula de aparecer na propaganda do PT (segundo a Folha); (2) Alckmin (PSDB) precisa contornar dificuldades no Nordeste; e (3) Bolsonaro (PSL) ainda procura um vice (estaria entre 3 nomes). Muitas decisões ficarão para o último dia do período das convenções partidárias (dia 5 de agosto). No front macro, o desemprego caiu mais do que o esperado no trimestre com término em junho. É o 1º dia de COPOM; e dia de definição de Ptax (último dia do mês). No front micro, resultados de Itaú e Cielo saíram ontem. Hoje, Embraer e Smiles.


CENÁRIO EXTERNO: CHINA DESACELERA; COMMODITIES FRACAS.

O “básico” sobre os mercados… As bolsas operam em alta na Europa, após terminarem no azul no Japão e China. Nos EUA, índice S&P futuro opera em alta nesta manhã. O dólar opera em ligeira baixa frente a seus principais pares, e misto frente aos emergentes. Os juros das Treasuries recuam (10 anos ~2,95%). As commodities apresentam viés de baixa. O petróleo (brent ) oscila próximo dos US$75/barril.

BC japonês surpreende… Na contramão do esperado por parte do mercado, o BC japonês reforçou as políticas de afrouxamento monetário. Ou seja: ainda não inicia – e nem sinaliza – tempos de “normalização” de suas políticas (como é o caso de outros BCs importantes, como nos EUA e Europa, por exemplo). Se mostrou preocupado com as projeções de inflação – aliás, as revisou para baixo. A meta de inflação por lá segue em 2%. Os mercados asiáticos reagiram de forma positiva à notícia.

China desacelera… O índice PMI da economia passou de 54,4 pontos em junho para 53,6 em julho. O índice da indústria passou de 51,5 para 51,2, abaixo dos 51,3 esperados. O índice do setor de serviços passou de 55,0 para 54,0, também abaixo dos 54,9 esperados. Ou seja: os 2 setores desaceleraram, e ficaram ligeiramente abaixo do projetado pelo mercado, segundo dados da Bloomberg. Isto contribui para colocar um viés mais negativo às commodities

EUA seguem fortes… A sondagem industrial do Fed de Dallas – divulgada ontem — passou de 36,5 pontos em junho para 32,3 em julho. Ficou acima dos 31,0 esperados pelo mercado, segundo dados da Bloomberg. Mesmo com a queda, o ritmo segue forte por lá. Economistas não esperam que o ritmo do 2º tri seja mantido à frente – afinal, o PIB cresceu à taxa de 4,1% t/t, em termos anualizados.

Na agenda de hoje… Nos EUA, no front macro, destaque para os dados de renda e consumo pessoal em junho (9h30). Também sairá o índice de inflação “PCE” (o mais “olhado” pelo Fed). Em 12 meses, espera-se que este se mantenha em 2,3%. O “núcleo”, índice que desconsidera alimentos e energia, deve continuar em 2,0%. Além disso, outros dados: (1) índice de custo do emprego do 2º tri (9h30); e 2 dados sobre julho, incluindo (2) índice PMI de Chicago (10h45); e (3) confiança do consumidor (11h). À noite (22h45), na China, sairá o PMI industrial de julho.


BRASIL: TSE PODE IMPEDIR LULA.

TSE deve impedir Lula… O Tribunal Superior Eleitoral deve impedir Lula de aparecer como candidato no programa de TV do PT, ainda que o julgamento de seu pedido para concorrer não tenha sido finalizado, aponta coluna da Folha. Ministros acreditam que até o dia 31 de agosto – 1º dia de propaganda eleitoral – o caso-Lula deve ter a 1ª sentença (de impugnação da candidatura). Assim, haveria 2 opções pós-decisão do TSE: (1) indicar um novo nome; ou (2) deixar o vice da chapa ocupar o maior espaço da propaganda.

Alckmin: Nordeste “rachado”… Considerando os 9 Estados da região, em pelo menos 7 o tucano terá dificuldades a serem contornadas. Afinal, os partidos que já lhe declararam apoio estão “rachados”, já comprometidos em apoiar candidatos a governador de outras siglas. Ou seja: num nível regional, Alckmin terá dificuldades na região. Na Bahia, por exemplo, 3 partidos do “centrão” que apoiarão Alckmin – PR, PP e PSD – defendem a reeleição do governador Rui Costa (PT).

E o PSB com o PDT? A decisão sobre uma possível aliança só deve sair dia 5 de agosto (domingo), o último dia do período das convenções partidárias. É o que disse o presidente do PSB, Carlos Siqueira. Segundo ele, o partido está rachado. “Vamos discutir à exaustão e tentar até o último minuto chegar a um consenso” , afirmou. Segundo coluna do Estadão, o PSB quer que o PDT desista de 2 pré-candidaturas em 2 Estados (Piauí e DF). O mesmo jornal, numa outra matéria, destaca que o PT tenta evitar tal união, oferecendo, em troca, acordos regionais.

3 opções para vice de Bolsonaro… Após programa do Roda Viva, da TV Cultura, Bolsonaro (PSL) disse a jornalistas que a escolha do vice em sua chapa se afunilou em 3 nomes: (1) Janaína Paschoal; (2) príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança e (3) deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG). O “plano A”? A advogada Janaína. Ele espera uma resposta até o próximo domingo (5). O plano B? Luiz Philippe. O plano C? O deputado do próprio PSL.

Fiscal sem muita “folga”… Segundo dados divulgados ontem, o déficit primário do setor público consolidado foi de R$13,5 bi em junho. A expectativa do mercado era de R$15 bi, segundo dados da Bloomberg. No acumulado em 12 meses, o déficit primário consolidado passou de R$95,9 bi para R$89,8 bi (de -1,4% para -1,3% do PIB). Considerando apenas o governo central, este passou de R$97,4 bi para R$92,4 bi (de -1,5% para -1,4% do PIB). A meta para este ano é de -R$159 bi para o governo central, e de -R$161,3 bi para o setor público consolidado. Apesar da pequena “folga”, espera-se o cumprimento das metas em 2018.

Sobre as incertezas: caíram, mas seguem elevadas… Segundo dados da FGV, o índice de incerteza da economia caiu 6,6% m/m em julho, após 4 altas consecutivas. Frente a julho de 2017, recuou 6,9%. Embora continue elevado – ao redor do patamar de maio, antes da greve dos caminhoneiros –, o indicador reforça a ligeira melhora do ambiente macro/político em julho. Não é por acaso que os mercados tiveram bom desempenho. À frente (considerando o período eleitoral), ainda vemos com cautela a diminuição adicional desta incerteza.

Na agenda de hoje… No front macro, destaque para a taxa de desemprego do trimestre encerrado em junho (dados da PNAD Contínua). Passou de 12,7% para 12,4%, abaixo dos 12,6% esperados. Além disso, o COPOM inicia o seu 1º dia de reunião. A decisão quanto à Selic sairá amanhã, após o mercado (esperamos, em linha com o consenso, estabilidade em 6,50%). No front micro, vai ao ar no programa “Central das Eleições”, da GloboNews, a entrevista com a pré-candidata Marina (Rede), às 22h30. Além disso, 3 pesquisas podem ser divulgadas a partir de hoje: DataPoder360; IPESPE; e Instituto Paraná.

Agenda corporativa… Hoje, entre os papéis do Ibovespa, saiu o resultado de Embraer, abaixo do esperado. Smiles divulga após o fechamento. Pela manhã (10h), Itáu comenta o resultado reportado ontem pós-mercado (qualidade da carteira de crédito melhorou, mas o resultado foi ligeiramente mais fraco). À tarde (13h), é a vez da Cielo, que reportou números fracos ontem à tarde. Veja mais sobre os resultados no Guide Empresas.

E os mercados hoje? A percepção de risco país, medida pelo CDS de 5 anos, opera relativamente estável (ao redor de 212 pontos base). É dia de definição da Ptax, algo que pode trazer um pouco mais de volatilidade. O viés para os ativos locais é misto, diante de quadro em “stand-by” no exterior. Atenção aos dados americanos.

Ignacio Crespo – Economista

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: +0,51%, aos 80.275 pontos;
Real/Dólar: +0,52%, cotado a R$3,730;
Dólar Index: -0,34%, 94,348;
DI Jan/21: 0 pontos base, 8,900%;
S&P 500: -0,58% aos 2.802 pontos.

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg. *valores referentes à sessão do dia 31/05.


EMPRESAS:

Embraer: Atenção na JV com a Boeing
Impacto: Neutro.

Itaú Unibanco: Sólido resultado no 2º tri
Impacto: Neutro.

Cielo: Mais um resultado fraco
Impacto: Marginalmente negativo.

Luis Gustavo Pereira – Estrategista


Jornais:

Folha de São Paulo
– Lei eleitoral reduz serviços de informações à população (Manchete)
– TSE deve impedir que Lula apareça como candidato no programa de TV do PT
– Bolsonaro diz que as eleições deste ano estão “sob suspeição”

O Estado de São Paulo
– ANS recua e revoga nova cobrança em plano de saúde (Manchete)
– Para ter apoio, PT rifa candidatos ao Senado
– Novo decreto deve manter desconto de R$ 0,46 ao litro do diesel até dezembro
– Candidatos querem mudar funcionamento do STF
– Com bombeamento extra, Cantareira cai e chuva não deve aliviar estiagem

O Globo
– ANS revoga limite de 40% para planos de coparticipação e franquia (Manchete)
– Bolsonaro diz que não tem ‘plano B’ para a economia sem seu orientador

Valor Econômico
– Após dois anos, FI-FGTS volta a investir em infraestrutura (Manchete)
– Alckmin rejeita concorrer com chapa puro-sangue
– Governo vai manter ‘buraco’ da regra de ouro
– Após concluir conversão de dívida, Oi prepara AGE
– Pimco quer diversificar seus investimentos

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Ignácio Crespo Rey
[email protected]

Lucas Stefanini
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

Julia Carrera Bludeni
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Ignacio Crespo Ignacio Crespo

Economista

Mestre em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/EPGE) e em Finanças pela Barcelona Graduate School of Economics (BGSE). Graduado em Ciências Econômicas pelo INSPER. Entre 2013 e 2018, atuou como economista da Guide Investimentos, cobrindo o mercado doméstico e os internacionais, e sendo um dos responsáveis do asset allocation dos clientes. Desde 2018, atua como consultor Guide Investimentos, cobrindo principais eventos do cenário internacional e escrevendo artigos semanais para o blog.

482 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami