Mercados Hoje: Sem Racionalidade

tags Intermediário

Introdução: A “guerra comercial” se intensifica no exterior, e aumenta a aversão a risco. A “perda de racionalidade” americana aumenta o risco geopolítico. Neste contexto, investidores buscam proteção, os juros das Treasuries recuam, e o dólar segue forte. Os holofotes seguirão voltados à política comercial de EUA e China. Os impactos são globais. Commodities recuam. No Brasil, é dia de agenda macro esvaziada. É o 1º dia do Copom, e acreditamos que a Selic continuará em 6,5% (decisão sai amanhã, pós-mercado). Os jornais discutem possíveis alianças entre partidos. Tucanos fazem aproximação com MDB. Quadro político segue muito aberto.


CENÁRIO EXTERNO: GUERRA COMERCIAL CONTINUA.

O “básico” sobre os mercados… As bolsas recuam (Europa no vermelho, após quedas na Ásia). A bolsa da Xangai, que volta a funcionar, recuou 3,77%. Nos EUA, S&P futuro recua mais de 1% nesta manhã (8h50). Commodities recuam. O petróleo (brent) oscila na casa dos US$74/barril. O minério de ferro caiu 2,98% na China, cotado a US$66,45/tonelada. A volatilidade segue em alta: o índice VIX sobe mais de 18% até aqui. O dólar se valoriza; e os juros das Treasuries recuam, diante da busca por maior proteção.

“Guerra Comercial” – a saga… Os mercados reagem às afirmações dos líderes de EUA e China, em meio à “guerra comercial” que se intensifica. Isto aumenta a aversão a risco lá fora (vide o índice VIX, a procura por Treasuries, a valorização do dólar, etc.). Este é um risco não só para EUA e China, mas para o crescimento global. Aliás, o presidente do BC europeu, Mario Draghi, destacou este ponto horas atrás, referindo-se à Zona do Euro. Donald Trump ameaça tarifar outros US$200 bi em produtos chineses, com 10% adicionais, “dobrando a aposta” inicial.

“Se os EUA sofrerem com uma perda de racionalidade e adotarem a lista (de tarifas), a China terá que adotar fortes medidas, que serão abrangentes, combinando quantidade e qualidade”, ministro do Comércio da China.

Divergências entre Europa e EUA… Na semana passada, o BC dos EUA subiu os juros, e sinalizou outras 2 elevações neste ano. As datas mais prováveis? Dia 26 de setembro e dia 19 de dezembro. Já o BC da Europa sinalizou que as compras de ativos mensais – programa chamado de “QE” – deve terminar até dezembro deste ano. Altas de juros? Após o verão europeu de 2019, no mínimo. A postura mais “dura” do BC americano vis-a-vis o europeu mantém o dólar forte. Mais: tende a aumentar o diferencial de juros de 10 anos entre EUA e Alemanha, por exemplo.

Na agenda de hoje… Nos EUA, saem os dados de novas construções residenciais e concessão de alvarás, referentes a maio (9h30).


BRASIL: 1º DIA DE COPOM.

Dia difícil na Câmara… A Casa tentará votar hoje 3 projetos importantes. O desafio, no entanto, será conseguir quórum, em semana de Copa e festas de São João no Nordeste. Os projetos? (1) Projeto que muda as condições de exploração de petróleo nas áreas do pré-sal do contrato de cessão onerosa; (2) Projeto que equaciona pendências financeiras de distribuidoras da Eletrobras; e (3) Trechos do projeto que amplia o acesso de instituições financeiras ao cadastro positivo de crédito.

Pré-candidatos em BH… Hoje, presidenciáveis Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) estarão em BH, participando do 35º Congresso Mineiro de Municípios, organizado pela Associação Mineira de Municípios.

Alckmin, e o MDB… Segundo matéria do Valor, uma ala do PSDB quer uma aliança com o MDB, de Temer. Caso isto aconteça, Nelson Jobim, ex-ministro de FHC e Dilma, é um dos mais cotados. Meirelles, diante de perda de tração da economia, perdeu forças dentro do MDB. Segundo a Folha, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB-GO), e atual coordenador político da campanha de Alckmin, marcou encontro nesta 5ª (21) com o presidente nacional do MDB, Romero Jucá.

Alckmin, e o Podemos… O tucano também está atento a Álvaro Dias (Podemos), que lhe drena votos no Sul e Sudeste. O Globo de hoje traz uma matéria comentando o assunto. Dias recusou oferta de cargos para desistir de sua candidatura, e não parece disposto a deixar a disputa. Segundo o último Datafolha, Dias tem 4% dos votos, e Alckmin tem 7%.

1º dia de Copom… Começa hoje a reunião de política monetária do BC. A decisão sairá amanhã, após o mercado. Esperamos manutenção da Selic em 6,50%, e os mercados vão começando a precificar isto. Afinal, nas semanas recentes, começou-se a colocar uma probabilidade nada desprezível de o BC subir os juros a partir deste mês. Discordamos, diante de projeções de inflação ainda ancoradas. A sinalização do BC também vai contra uma alta neste momento. Afinal, tem dito que a política monetária não responde de forma mecânica ao câmbio. Falamos deste assunto ontem, em entrevista à IstoÉ Dinheiro.

Comércio… Segundo dados do MDIC, divulgados ontem, a balança comercial registrou superávit de US$1,97 bi na 3ª semana de junho. No mês, o saldo é de US$2,899 bi. No ano, o acumulado é de US$27,07 bi. Apesar de os dados recentes mostrarem alguma recuperação das exportações, o saldo do mês de junho deve terminar ao redor de US$7 bi. Para o ano de 2018, o mercado, segundo o Focus, projeta um saldo de US$58,3 bi.

Agenda de hoje… Às vésperas da decisão do Copom (amanhã), é dia de agenda esvaziada. As atuações do BC devem continuar nesta semana, visando dar melhor funcionamento aos mercados de câmbio. Ontem, colocou apenas 20 mil contratos em swaps cambiais (equivalente a US$ 1bi).

Boletim Focus… O mercado revisou para cima as projeções da inflação para 2018 e 2019, agora em 3,88% e 4,10%, respectivamente. Espera-se um câmbio também mais altos, de R$3,63 no final deste ano, e R$3,60 no final de 2019. As projeções para o PIB, por outro lado, foram revisadas para baixo, agora em 1,76% e 2,70%, respectivamente. Neste contexto, o mercado manteve as projeções para a Selic, de 6,50% no final deste ano, e de 8,00% no final do próximo ano.

E os mercados hoje? Diante do aumento da aversão a risco no exterior, mantemos um viés mais negativo para os ativos locais (viés de baixa em bolsa, e de alta em dólar e juros). Às vésperas do Copom, investidores devem adotar maior cautela no mercado de juros. A percepção de risco país, medida pelo CDS de 5 anos, sobe nesta manhã, e oscila ao redor de 283 pontos base. Em junho, o CDS já sobe 25%.

Ignacio Crespo – Economista

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: -1,33%, aos 69.815 pontos;
Real/Dólar: : +0,41%, cotado a R$3,744;
Dólar Index: -0,03%, 94,756;
DI Jan/21: -19 pontos base, 9,790%;
S&P 500: -0,21% aos 2.774 pontos.

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg. *valores referentes à sessão do dia 31/05.


EMPRESAS:

Eletrobras: Distribuidora da Eletrobras no Norte podem ser liquidadas
Impacto: Marginalmente Negativo.

Petrobras: Cinco grupos avaliam refinarias da Petrobras
Impacto: Marginalmente Positivo.

Setor de Construção: Incorporadora reduz ritmo de compra de terrenos no 2º tri
Impacto: Marginalmente Negativo.

Luis Gustavo Pereira – Estrategista


Jornais:

Folha de São Paulo
– Acinação de bebês e crianças tem menor alcance em 16 anos
– Com ajuda do vídeo, torneio tem 1 pênalti a cada 2 jogos
– Grandes empresas tentam barrar venda direta de etanol aos postos
– Busca de refúgio no Brasil mais que dobra em um ano

O Estado de São Paulo
– Com PIB baixo e incertezas, indústria corta investimento
– Tabela de frete elevará custos em R$ 53,2 bi, diz entidade
– Polícia diz que Luiz Estevão agia como “dono” de cadeia
– Fiocruz estudará uso medicinal da maconha

O Globo
– Energia sobe 33% contra inflação de 19%
– PF indicia Joesley e ex-procurador Miller
– Tráfico isola rua do Porto com barricada
– Trump ataca ação de Merkel com imigrantes

Valor Econômico
– Tesouro vai dar subsídios a precatórios estaduais
– Eleição ativa investimento nos Estados
– AIE sugere à Opep aumento de produção
– Lloyd’s prevê que França será campeã

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Ignácio Crespo Rey
[email protected]

Lucas Stefanini
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 17 da Instrução CVM nº. 483/2010, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Ignacio Crespo Ignacio Crespo

Economista

Mestre em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/EPGE), e graduado em Ciências Econômicas pelo INSPER. Foi professor assistente do Mestrado Profissional em Economia do INSPER, ministrando aulas sobre Macroeconomia e Política Monetária. De 2013 até agosto de 2018 atuou como economista-chefe da Guide Investimentos. Desde então, atua como consultor externo da Guide.

268 visualizações

relacionados

Bitnami