Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Mercados Hoje: Novela da política brasileira e da política monetária americana

Introdução: Mercados asiáticos operaram no verde; Na Europa dia começa positivo, refletindo as falas dos dirigentes do FED; Futuros do S&P indicam mais um dia positivo nos EUA; Powell começa a abrir, ainda de forma tímida, a porta para o primeiro corte de juros desde 2008, o que animou os mercados americanos ontem. No Brasil, dia de agenda política carregada; STF decide hoje sobre vendas de estatais sem aprovação do legislativo; Comissão de orçamento pode votar hoje sobre a autorização para que o governo quebre a regra de ouro fiscal; PL (antiga MP 878 que caducou) do saneamento pode andar no Senado; Orçamento impositivo é outro item na pauta dos Senadores hoje.


CENÁRIO EXTERNO: SE PRECISAR VAI CORTAR (OS JUROS)

Mercados… Noite positiva para a maioria dos mercados asiáticos, o índice Nikkei avançou +1,80%, Hong Kong +0,50% e Shanghai operou na direção contrária, recuando -0,04%. Na Europa o dia está positivo, refletindo o momento mais dovish do FED, o DAX avança +0,55%. Os futuros do S&P também avançam com relativa força, +0,62%, indicando um dia positivo nos mercados norte americanos. Na frente das commodities o petróleo WTI recua -0,34% cotado a US$ 53,30/barril.

Desacelerando… O PMI chinês do setor de serviços chinês recuou para 52,7 em maio, de 54,5 no mês anterior, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira, pela Caixin/IHS Markit. O indicador atingiu o menor nível em três meses, mas se manteve acima dos 50 pontos – patamar que separa a expansão da contração da atividade econômica.

Se precisar vai cortar… Em comentários separados ontem, o presidente do Fed, Jerome Powell, e seu número 2, Richard Clarida, garantiram aos investidores que estão observando atentamente os sinais de que as disputas entre os EUA e seus parceiros comerciais estão prejudicando as perspectivas para a economia americana. Suas observações indicam que o FED pode fazer meu primeiro corte de juros desde 2008.

Mas já deixou a fresta da porta aberta… Banqueiros centrais se comunicam de forma evasiva e usam termos econômicos complexos como cortina de fumaça, uma forma de revelarem o futuro sem de fato o revelar. Monitorando, acompanhando e sinônimos são sempre usados pelos banqueiros centrais quando eles não querem de fato responder (ou nem tem os dados para decidir) sobre os rumos da política monetária. Fato é, que Powell e Clarida deixaram claro que existe a chance de um corte ainda em 2019.

Catching up with the market… Desde de março quando o FED divulgou a projeção dos membros do comitê acerca da trajetória da taxa de juros americana, o mercado não acreditava nessa projeção e portanto, existia uma divergência grande entre a taxa embutida no futuro das fed funds e o que os diretores do FED esperavam. Para 2021 existia uma diferença de quase -100bps entre o FED e o mercado. Uma convergência entre as taxas só aconteceria quando algum dos agentes visse que estava fazendo uma avaliação errada da economia e viesse a reprecificar de forma correta as suas expectativas.

O erro pode ser do FED… Caso a deterioração dos mercados e da economia continue, o FED poderá ter errado, quando embutiu em suas projeções um cenário bem mais tranquilo de crescimento para a economia americana. Porém, choques idiossincráticos como a guerra tarifária de Trump, fato completamente fora do escopo da política monetária, podem vir a causar essa convergência.

Por enquanto tudo bem… A fala de Powell ontem foi o suficiente para que os mercados acionários globais ganhassem ânimos ontem e hoje. Além da animação das bolsas, as treasuries subiram, enquanto o dólar se estabilizou após quatro dias de queda.

Agenda… O destaque do dia são: o livre bege da economia americana, junto com os dados de emprego da ADP e vendas no varejo na Europa.


BRASIL: MUITAS NOVELAS EM CAPÍTULOS DECISIVOS

É hoje… O STF irá decidir sobre a privatização de empresas estatais sem a autorização do congresso. A venda de 90% da Transportadora Associada de Gás (TAG), subsidiária da Petrobras, que deve gerar R$34 bilhões para petroleira, aguarda a decisão do colegiado.

Deve passar… Existe um aparente consenso em torno da questão, e que a tendência é a Corte autorizar a venda de estatais sem o aval do Legislativo. Seria 1 aceno à política econômica de Jair Bolsonaro, com quem o ministro Dias Toffoli vem construindo uma boa relação. E também um sinal de que o tal pacto entre os 3 poderes poderá vingar.

Grana extra hoje… A Comissão Mista de Orçamento (CMO) fará reunião hoje, às 10h, para tentar votar o parecer do deputado Hildo Rocha (MDB-MA) sobre o projeto de lei que dá aval para que o Tesouro Nacional emita R$ 248 bilhões em títulos para pagar despesas como o Bolsa Família, o benefício de prestação continuada (BPC), aposentadorias urbanas e o Plano Safra até o fim do ano. Já começa a faltar dinheiro para pagar aquilo que está dentro do orçado…

Quebrando a regra de ouro… Com a aprovação, o governo fica autorizado a descumprir a regra de ouro, que diz que o governo não pode se endividar para pagar despesas correntes.

Retomada da novela do saneamento… Apesar da expiração da MP 868/2018, que pretendia alterar o marco legal do saneamento básico, a iniciativa perdura através do Projeto de Lei 3261/2019. A matéria foi apresentada na terça-feira pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e tramita pelo Senado em regime de urgência. O projeto já recebeu o aval da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), e deve ser votada no Plenário do Senado hoje.

Modernização… Segundo o parecer favorável proferido pelo senador Roberto Rocha (PSDB/MA), o projeto representa a oportunidade para combater problemas graves de saúde pública associados ao saneamento precário, através da criação de condições para uma maior participação do capital privado nos investimentos do setor.

Críticas… A alteração mais contenciosa envolve os contratos de programa, onde municípios entram em parceria com empresas estaduais sem abrir processo de licitação, impedindo empresas privadas de competirem pelos contratos. O projeto pretende forçar as estatais a competirem com privadas através das licitações. Em declaração feita no Senado, o parlamentar Rogério Carvalho (PT-SE), ressaltou o valor desses ativos (contratos) para as empresas públicas do setor, entendendo que a introdução do processo de licitação resultaria no desmanche das estatais que atuam no setor.

Outra novela: o orçamento Impositivo… O Senado deve votar, hoje (05), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 361/2015, que versa sobre a imposição da execução das emendas de bancada do Orçamento Federal. Caso seja aprovada, bancadas estaduais terão mais influência sobre os gastos do governo federal. A proposta prevê a transferência de aproximadamente R$333 milhões da união por ano para cada estado.

Quase aprovado… Caso seja aprovada em dois turnos no Plenário do Senado, a PEC será promulgada. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) já garantiu que a segunda rodada de votos ocorrerá imediatamente após a primeira, durante mesma sessão. A expectativa é que o projeto seja aprovado sem alterações.

Previdência livre? Muitos líderes do chamado centrão disseram que apenas votariam a previdência após a aprovação PEC do orçamento impositivo.

A novela da economia que não anda… Ontem foram divulgados os dados da produção industrial do mês de abril. Apesar de ter sido um dado positivo, a indústria não tem mostrado força e se expandiu apenas 0,3% em relação ao mês de março, enquanto na comparação com o mesmo mês de 2018 o dado foi 2,7% mais baixo. Maiores detalhes confira aqui no flash macro divulgado ontem.

Agenda… Nenhum indicador relevante será divulgado hoje.

E os mercados hoje? Acreditamos que com a melhora do cenário externo e o persistente bom humor da política local, o dia poderá ser positivo para os ativos de risco locais.

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: +0,37%, aos 97.380 pontos;
Real/Dólar: -0,75%, cotado a R$ 3,857;
Dólar Index: 0,07%, 97,072;
DI Jan/21: -06 pontos base, 6,380%;
S&P 500: +2,14% aos 2.803 pontos.

*Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.


Victor Candido – Economista


Jornais:

Folha de São Paulo
– Governo agiliza socorro a estados em busca de apoio à reforma
– Projeto afrouxa regras de trânsito para motoristas
– Para Odebrecht, cresce risco de recuperação judicial
– Caso Neymar: polícia intima acusadora

O Estado de São Paulo
– Prefeitos ameaçam ir ao STF para ser incluídos na Previdência
– Odebrecht tenta evitar recuperação judicial
– Bolsonaro propõe dobrar o limite de pontos da CNH
– Governo vai reeditar MP que altera Código Florestal

Valor Econômico
– Venda da Braskem é suspensa e piora situação da Odebrecht
– Tributação sobre salário é contestada
– BC busca novo indexador para mercado imobiliário
– Bolsonaro propõe perda de carteira só com 40 pontos

O Globo
– Governo agiliza socorro a estados em busca de apoio à reforma
– Projeto afrouxa regras de trânsito para motoristas
– Para Odebrecht, cresce risco de recuperação judicial
– Caso Neymar: polícia intima acusadora

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Lucas Stefanini
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

Julia Carrera Bludeni
[email protected]

Victor Candido
[email protected]

Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

Luca de Toledo Gloeden Soares
[email protected]

 

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Victor Candido Victor Candido

Economista

Mestrando em economia pela Universidade de Brasília - UnB. Já trabalhou no mercado financeiro na área de pesquisa e operações. Foi pesquisador do CPDOC da Fundação Getúlio Vargas. É formado em economia pela Universidade Federal de Viçosa.

295 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami