Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Mercados Hoje: Não tem dúvidas? Está mal informado.

No exterior: dólar ainda se mantém em baixa, e Fed destaca “incertezas”.

O dólar cai pelo 2º dia seguido, após a ata do Fed – documento referente à última reunião de política monetária da instituição – enfatizar o aumento de incertezas nos EUA. Afinal, após a eleição de Donald Trump, aumentou a incerteza quanto às políticas que serão adotadas (se, e quando, aquilo que tem sido ventilado será, de fato, levado adiante).

Embora a trajetória para as taxas de juros dos EUA ainda seja incerta, na opinião de alguns dirigentes, muitos participantes esperam uma aceleração da economia nos próximos meses. Isso, em nossa opinião, levará a novos aumentos das taxas de juros por lá (2 ou até 3 em 2017). Ou seja: a expectativa de um dólar mais forte ao redor do mundo se mantém, a despeito das incertezas ressaltadas pelo Fed.

Como vão reagindo os mercados? As bolsas asiáticas terminaram sem direção clara na última sessão (no Japão, recuou; na China, subiu), e os índices europeus vão tentando permanecer em terreno positivo. Nos EUA, índices futuros operam próximos à estabilidade. Um clima menos favorável, porém, longe de ser negativo para ativos de risco.

Entre as commodities: o petróleo (Brent) opera na casa de US$56/barril, com a produção da Líbia ofuscando as perspectivas de corte de produção de membros da Opep. De modo geral1, as commodities, após rali de final de outubro e novembro, vão passando por certa “acomodação” desde meados de dezembro.

De volta aos dias de hoje: do lado “macro”, é dia de agenda relevante nos EUA, com foco em indicadores do mercado de trabalho e do setor de serviços.

Indicadores de hoje nos EUA: emprego no setor privado (Relatório ADP, às 11h15); pedidos de auxílio desemprego (11h30); índices PMI e ISM sobre o setor de serviços (12h45 e 13h, respectivamente); e estoques de petróleo bruto (14h).

No Brasil: produção industrial fica abaixo do esperado pelo mercado.

No front econômico, o destaque de hoje foi a divulgação da produção industrial de novembro: +0,2% na comparação com outubro, e abaixo do crescimento esperado de 1,2%, segundo apontava o consenso de mercado. Além disso, o número anterior, de -1,1%, foi revisado para -1,2%.

Ainda do lado “macro”: a Anfavea divulgará hoje dados sobre a produção de veículos de dezembro (11h20); dará as perspectivas para 2017, e fará entrevista coletiva na sequência (11h30), em SP.

Ontem, lembramos: segundo dados da Fenabrave, as vendas de autoveículos recuaram 3,4% em dezembro, frente a novembro e; na comparação com 2015, o ano de 2016 encerrou com expressiva queda de 21,3% nas vendas.

Em suma: os dados sobre a economia brasileira ainda devem continuar a mostrar fraqueza no curto prazo. À frente, espera-se que a recuperação venha apenas no 2º semestre deste ano. Os futuros cortes de juros por parte do BC podem começar a ajudar nesta recuperação, lenta e gradualmente.

Do lado “político”: a reeleição de Rodrigo Maia como presidente da Câmara ganha reforço da base aliada, mas a sua candidatura oficial “não está madura”, segundo o próprio Maia. De qualquer forma, Maia tem se dedicado à sua campanha, é claro.

O tema “presídios” continua no radar, e Michel Temer tem reunião com Núcleo Institucional (10h). Também para hoje: o BNDES apresentará novas políticas operacionais em entrevista coletiva da presidente Maria Silvia (10h).

Em suma: os mercados locais, embora possam mostrar correção no dia de hoje, sem grande ajuda do exterior, ainda passam por bom momento, em nossa opinião. Vale destacar: a percepção de risco-país tem recuado nas últimas sessões, corroborando a melhor janela para ativos de risco, aqui e no exterior. Hoje, em especial, vemos a bolsa com viés de alta, e o dólar com perspectivas de baixa.

¹Considerando aqui o índice CRB, pelos dados da Bloomberg.

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: -0,36%, aos 61.589 pontos;
Real/Dólar: -1,36% cotado a R$3,2213;
DI Jan/19: foi de 10,94% para 11,00%.

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.
Empresas:

BRF: IPO da OneFoods

Impacto: Marginalmente Positivo.

Minerva: Busca ativos na Argentina e expansão no Oriente Médio

Impacto: Marginalmente Positivo.

Usiminas: Empresa deverá reajustar preços a partir de hoje

Impacto: Marginalmente Positivo.

Petrobras: Companhia conclui venda de unidade no Chile (PCD)

Impacto: Neutro.

Vivo: Genish renuncia ao cargo do conselho

Impacto: Marginalmente negativo.

Destaques nos jornais de hoje:

* O Estado de S.Paulo: Gestora de presídio cobra R$ 4,1 mil mensais por preso (Manchete)
* Temer só decidiu aumentar Fundo Penitenciário após alerta de possíveis rebeliões: Estado
* Reeleição de Maia ganha reforço na base aliada: Estado
* Mesmo com apoio antecipado do PSDB, Maia pede voto aos tucanos: Estado
* Justiça suíça vê ?indícios concretos? contra Cunha: Estado
* Crescimento menor do PIB pode levar a corte de até R$ 50 bi do Orçamento: Estado
* Renúncias fiscais vão custar R$ 279 bilhões: Estado
* Governo não descansa por aprovação da nova Lei de Telecom: Estado
* Um ano após aporte de sócio árabe, Minerva busca ativos na Argentina: Estado
* Segundo reajuste de preços do ano já está na mira das siderúrgicas: Estado
* Valor Econômico: Cresce parcela estrangeira na produção de petróleo (Manchete)
* Vigilância nas fronteiras diminuiu nos últimos 10 anos: Valor
* BNDES dará R$ 5 bi para capital de giro: Valor
* BC ganha R$ 75,6 bi com swaps em 2016: Valor
* Oi tenta reduzir pagamentos à GlobeNet: Valor
* Em carta, CEO da Petrobras critica proposta de greve: Valor
* O Globo: PF do Amazonas sabia desde 2015 de ameaça de massacre (Manchete)
* Governo encerra incentivos fiscais a cinco setores: Globo
* Folha de S. Paulo: Uma pessoa é assassinada por dia em prisões do país (Manchete

Boa leitura!

Contatos
Renda Variável*


Luis Gustavo – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Ignácio Crespo Rey
[email protected]

Lucas Stefanini
[email protected]

Guilherme Vasone
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.

“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 17 da Instrução CVM nº. 483/10, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“

Ignacio Crespo Ignacio Crespo

Economista

Mestre em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/EPGE) e em Finanças pela Barcelona Graduate School of Economics (BGSE). Graduado em Ciências Econômicas pelo INSPER. Entre 2013 e 2018, atuou como economista da Guide Investimentos, cobrindo o mercado doméstico e os internacionais, e sendo um dos responsáveis do asset allocation dos clientes. Desde 2018, atua como consultor Guide Investimentos, cobrindo principais eventos do cenário internacional e escrevendo artigos semanais para o blog.

297 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami