Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Mercados Hoje: Muita munição

Introdução: Bolsas asiáticas tiveram um bom desempenho no último pregão da semana; Na Europa dia também bastante positivo; Nos EUA, futuros do S&P confirmam a baixa aversão ao risco e avançam; Números bastante preocupantes da produção industrial alemã que teve sua maior queda em 4 anos; Presidente do Banco Central da China afirmou que país tem ampla munição em termos de política econômica para superar os impactos das tensões entre China e EUA. No Brasil, STF destrava a venda de subsidiárias de estatais sem a autorização do congresso, porém para vender a companhia mãe (a estatal em si), será necessária aprovação do legislativo; Na ponta econômica o destaque fica com a divulgação dos dados do IPCA de maio às 09:30.


CENÁRIO EXTERNO: MUITA MUNIÇÃO

Mercados… Bolsas asiáticas tiveram bom desempenho na última seção da semana, o Nikkei avançou 0,53% e Hong Kong +0,26%. Na Europa, a sexta feira também está sendo positiva, com o DAX avançando 0,82% e o Euro STOXX 50 avançando mais de 1%. Nos Estados Unidos, os futuros do S&P estão avançando 0,27%, indicando uma abertura positiva das bolsas americanas. Na frente das commodities o petróleo do tipo WTI ganha 1% e está cotado ao redor de US$53/barril.

Um número bem azedo… A produção industrial alemã teve seu pior número em quase quatro anos em abril. O banco central alemão (Bundesbank) fez uma avaliação sombria das perspectivas, sugerindo que a maior economia da Europa possa estar se desacelerando de forma persistente.

Muita munição… O presidente do banco central da China disse que há espaço “tremendo” para ajustar a política monetária se as tensões comerciais se aprofundarem, juntando-se aos congêneres da Europa e dos EUA em mostrar prontidão para agir em apoio à economia.

Sem acordo ainda… Negociadores norte-americanos e mexicanos devem retomar as negociações nesta quinta-feira, com um curto prazo para evitar a materialização da ameaça do presidente Donald Trump de impor tarifas na próxima semana.

Fala com tranquilidade… “Temos muito espaço nas taxas de juros, temos muito espaço na taxa de reserva necessária, e também para o instrumento de política monetária e fiscal, acho que a margem para ajustes é enorme”, disse ele em entrevista à Bloomberg. Yi disse que a moeda tem sido mais fraca recentemente devido à “pressão tremenda” do lado americano, mas o impacto será temporário.

Outro que diz que tem munição… Hoje os mercados continuarão a digerir a inesperada decisão do Banco Central Europeu (ECB) de ontem, incluindo a revelação feita pelo presidente do ECB Mario Draghi, de que os formuladores de políticas têm discutido possíveis cortes nas taxas e um aumento extra de restrições quantitativas.

Porém o mercado começa a duvidar… A reação dos mercados foi de cautela, mesmo com a notícia de que os juros ficarão baixos por mais tempo (ainda) na Europa. Os mercados não estão convencidos de que Mario Draghi e seus colegas têm a munição e as ferramentas para levar a inflação da Zona do Euro para a meta de 2%. Os investidores reduziram as expectativas de corte de juros e o novo programa de empréstimos de longo prazo parece ser uma espécie de compromisso por parte do banqueiro central.

Foco no México… As tensões com a China continuam sendo o foco central da negociação comercial, mas na sexta-feira, e ao longo do fim de semana, o foco seja dominado pelas conversas entre EUA e o México. Os EUA estão considerando adiar a imposição de tarifas que haviam sido planejadas para segunda-feira e o México diz que algum progresso está sendo feito em direção a um acordo.

As indústria americanas já começam a pressionar… Mas o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, diz que o plano é avançar com a tarifação do México. Um atraso seria um alívio temporário para a indústria automobilística, que está muito preocupada com o impacto que as cobranças de tarifas do México poderiam ter sobre a indústria americana, uma vez que existe um farto comércio intra-firmas entre empresas americanas e indústrias mexicanas do outro lado da fronteira.

Agenda… Além da produção industrial da Alemanha, que já discutimos acima, outro destaque do dia será a divulgação dos dados do mercado de trabalho americano. Um número forte pode reafirmar a saúde da economia americana, enquanto um fraco pode colocar ainda mais pressão sobre o FED para um corte de juros ainda em 2019.


BRASIL: PARCIALMENTE LIBERADO

Subsidiárias Vs. Estatal… O Supremo Tribunal Federal determinou, ontem (07), que empresas subsidiárias de estatais podem ser vendidas, sem o aval do Congresso. No caso das próprias estatais, chamadas de “empresas mães” durante a sessão, o aval do legislativo será compulsório.

Empate… O colegiado chegou ao veredito após três longas sessões. Os primeiros votos foram proferidos durante o segundo dia de deliberação, onde quatro dos onze ministros se revelaram seus posicionamentos. Como já era esperado, Ricardo Lewandowski e Edson Fachin defenderam a necessidade de aprovação pelo Congresso. Enquanto os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso votaram a favor da autonomia do Executivo.

Definição… Durante a terceira sessão no plenário do STF, Carmen Lúcia, Rosa Weber, Luiz Fux e Celso de Mello discordaram do parecer proferido pelo relator, Ricardo Lewandowski, que determinava a necessidade de permissão do legislativo antes da venda de subsidiárias. O ministro Marco Aurélio, foi o único integrante da corte que deu sustento a interpretação feita por Lewandowski, durante o último dia de votos.

Nada de articulação… Agora, a Petrobras poderá efetivar a venda da sua participação (90%) na Transportadora Associada de Gás S. A. (TAG), subsidiária da petroleira. Além disso, a decisão proferida pelo STF abre caminho para o plano de privatização do governo Bolsonaro.

Futuros Planos… O ministro Paulo Guedes, afirma que pretende gerar US$20 bilhões através da venda de estatais e subsidiárias durante o primeiro ano da sua regência sobre o ministério da Economia. A venda da TAG representa em torno de 1/3 da meta do ministro. os Correios também estão na mira de Paulo Guedes. Segundo a mais recente interpretação do STF, o governo precisará buscar o aval do Congresso para privatizar a estatal.

Dependentes… Além de gerar caixa para o governo através da liquidação de empresas, o plano de privatização deve reduzir os gastos do governo. O Tesouro gasta mais R$ 18 bilhões ao ano para subsidiar estatais dependentes (com despesas maiores que receitas). Essa ausência de autonomia financeira se deve, principalmente, a folha de pagamento das estatais. Servidores públicos recebem, em média, seis vezes mais que trabalhadores do setor privado.

Bons números… De acordo com a Anfavea, em maio, a produção nacional de veículos aumentou 29,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. Este forte avanço se dá por conta da base deprimida, em virtude da greve de caminhoneiros ocorrida em maio do ano passado. Em doze meses, o crescimento é de 3,6%. Na série com ajuste sazonal e por dias úteis, a produção cresceu 0,2% MoM, após subir 0,9% MoM no mês anterior.

Agenda… O destaque do dia será a divulgação dos dados do IPCA de maio, às 09:30, acreditamos em um número próximo de 0,30%, um pouco abaixo da estimativa do mercado, o que caso se confirme levaria e a inflação acmumula em 12 meses para 4,84%.

E os mercados hoje? Com o bom humor dos mercados globais se firmando por mais um dia, e com a aprovação da venda da TAG pelo STF, acreditamos que os mercados por aqui, terão um dia positivo.

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: +1,26%, aos 97.205 pontos;
Real/Dólar: -0,01%, cotado a R$ 3,881;
Dólar Index: -0,28%, 97,044;
DI Jan/21: -09 pontos base, 6,390%;
S&P 500: +0,61% aos 2.844 pontos.

*Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.


Victor Candido – Economista


Jornais:

Folha de São Paulo
– STF libera privatização de subsidiárias de estatais
– Anvisa quer regulamentar uso medicinal da maconha
– Senado aprova privatizar serviços de água e esgoto
– Incluir estados na Previdência tem aval de 25 governadores

O Estado de São Paulo
– STF libera venda de subsidiária de estatal sem aval do Congresso
– Brasil discute criação de moeda comum com Argentina
– Governadores fazem apelo para ficar na Previdência
– Senadores aprovam novas regras para saneamento

Valor Econômico
– Mourão diz que o Brasil rejeita bloqueio à Huawei
– STF torna mais fácil privatizar subsidiárias
– Países tendem a vetar fusões na indústria automotiva
– Marfrig busca recursos para fusão com a BRF

O Globo
– STF dá a estatais liberdade para vender subsidiárias
– Participar da reforma é desejo de 25 governadores
– Maré de derrotas no Congresso deve continuar
– Bolsonaro alerta argentinos para ‘novas Venezuelas’

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Lucas Stefanini
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

Julia Carrera Bludeni
[email protected]

Victor Candido
[email protected]

Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

Luca de Toledo Gloeden Soares
[email protected]

 

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Victor Candido Victor Candido

Economista

Mestrando em economia pela Universidade de Brasília - UnB. Já trabalhou no mercado financeiro na área de pesquisa e operações. Foi pesquisador do CPDOC da Fundação Getúlio Vargas. É formado em economia pela Universidade Federal de Viçosa.

283 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami