Mercados Hoje: Missão dada… e cumprida?

tags Intermediário

Introdução: O dólar se valoriza no exterior, seguindo boa avaliação da economia dos EUA feita ontem pela presidente do Fed, Jay Powell. Aliás, este volta a falar hoje (11h), na Câmara. As bolsas operam com viés altista na Europa, após sessão mista na Ásia. Trump, após críticas, volta atrás no caso-Rússia. Atenção aos balanços nos EUA. No Brasil, a temporada de balanços começa hoje, com Weg. Agenda macro tranquila. Bolsonaro (PSL) escolhe o general Augusto Heleno Ribeiro Pereira como vice. Este se disse “pronto para a missão”. Ainda na política: DEM segue dividido; e Ciro Gomes (PDT) parece migrar ao “centro”.


CENÁRIO EXTERNO: TRUMP MUDA DISCURSO; POWELL VOLTA A FALAR.

O “básico” sobre os mercados… O dólar se fortalece no exterior (frente a desenvolvidos e emergentes), seguindo boas avaliações de Powell sobre a economia dos EUA. Os juros das Treasuries, no entanto, mantém viés baixista, sem grandes mudanças nos últimos dias (10 anos ~2,85%). A volatilidade opera estável, segundo índice VIX. As bolsas da Europa sobem, em sua maioria; após sessão mista na Ásia. A bolsa da China (índice de Xangai) recuou 0,39%; enquanto a do Japão (índice Nikkei) subiu 0,43%. Nos EUA, o S&P futuro opera estável. As commodities operam em baixa. O petróleo (brent ) oscila ao redor de US$71-72/barril. O minério de ferro na China, no entanto, subiu 1,83%, cotado a US$65,24/tonelada.

Powell, no Senado… O presidente do Fed fez uma boa avaliação da economia dos EUA. Desde fevereiro (a última vez que esteve no Senado), “o mercado de trabalho continuou a se fortalecer, e a inflação subiu” . Importante: dados recentes mostram que o 2º tri foi mais forte que o 1º e; segundo dados até maio, a inflação já chegou em 2,0% (considerando o “núcleo” do PCE). Espera-se que a normalização gradual da política monetária permita que o mercado de trabalho aqueça ainda mais, e que a inflação se mantenha próxima da meta de 2% nos próximos anos. Volta a frisar que o objetivo é “simétrico” (ou seja, a inflação poderia ficar acima de 2,0% por algum tempo!).

E daí? A fala de Powell foi considerada positiva para os mercados. Afinal, ao classificar os riscos ao cenário-base como “balanceados”, acredita, por enquanto, que o melhor é continuar subindo juros de forma gradual (chamou a atenção de muitos o fato de a avaliação de Powell frisar o “por enquanto”, ou “for now” , em inglês). Como de costume, disse que os próximos passos continuarão dependentes dos dados. Ao não se debruçar sobre temas polêmicos – como a inclinação cada vez menor da curva de juros –, evitou que os mercados tivessem reações mais fortes à sua fala.

Trump muda discurso… Após dizer que acreditava em Putin, Trump voltou atrás. Disse que a Rússia pode ter interferido ne eleição de 2016. Afinal, as críticas ganharam forças, inclusive dentro do partido Republicano. Às vésperas das eleições de novembro para o Congresso, Trump evita perder apoio político (afinal, republicanos controlam hoje Câmara e Senado). Ainda assim, vale notar: a aprovação de Trump tem melhorado desde o início do ano. Hoje é aprovado por 42,1% da população, contra 37,9% no início do ano (dados compiladas pelo blog FiveThirtyEight).

Juros no Reino Unido estáveis? Após a inflação ter permanecido estável em junho (em 2,4%), abaixo do esperado pelo mercado (2,6%), o mercado passa a questionar se o BC subirá os juros em agosto, como até aqui vinha sendo cogitado. Esta mudança de expectativa faz a libra perder forças frente ao dólar (às 8h, operava próximo na casa de US$1,30). Registe-se: considerando o “núcleo” da inflação, esta passou de 2,1% em maio para 1,9% em junho; abaixo da projeção de 2,1%.

Sem mudar, está mudando… Em nosso blog , comentamos sobre o atual cenário internacional, e as novas projeções de crescimento do FMI, divulgadas nesta semana. Mesmo mantida a projeção de 3,9% para este ano, a composição do crescimento global deve ser diferente (em relação àquilo que era esperado em abril). Os EUA seguem fortes, enquanto outros países perderam fôlego.

Na agenda de hoje… Nos EUA, no front macro, (1) dados de construção de casas novas e concessão de alvarás, em junho (9h30); e (2) Livro Bege (15h). Após comparecer ao Senado, o presidente do Fed, Jay Powell, fará aparição na Câmara (11h). Deve reafirmar aquilo que disse ontem. No front micro, 14 empresas listadas no S&P 500 divulgam seus balanços, incluindo Morgan Stanley e eBay.


BRASIL: BOLSONARO ESCOLHE VICE; DEM SEGUE DIVIDIDO.

Quem será o vice (de Bolsonaro)? Espera-se que Bolsonaro (PSL) anuncie hoje quem será o seu vice na chapa. Segundo articuladores, o general Augusto Heleno Ribeiro Pereira é o nome mais provável. Heleno atuou no Exército por 44 anos, e é filiado ao PRP (sigla que não tem atualmente representantes na Câmara e Senado). Disse estar “pronto para cumprir a missão” . A 1ª opção como vice era o senador Magno Malta (PR), mas o acordo não evoluiu. Bolsonaro parece ter perdido uma oportunidade para fortalecer a sua candidatura.

Quem será o candidato do PT? Jaques Wagner, ex-governador da Bahia tem se reunido com Rui Falcão e Luiz Marinho, emissários do ex-presidente Lula. Wagner ainda é cogitado a ser o candidato petista. Outra opção (talvez a mais clara até aqui) é Fernando Haddad. Ainda está em aberto…

Ainda sobre política… O DEM segue dividido. Uma ala, representada por Rodrigo Maia, defende o apoio a Ciro Gomes (PDT). Outra, com ACM Neto, defende uma aliança com Alckmin (PSDB). Aliás, ACM Neto disse que as chances de ambos os candidatos são as mesmas neste momento, segundo blog de Andréia Sadi. “Até quinta-feira, espero que estejamos em um processo mais maduro. A decisão não vai passar do dia 27”, afirmou. Hoje, reúne-se com líderes do chamado “blocão”, integrado, entre outros, por PP e PRB. Sobre Ciro Gomes (PDT): diminuiu as críticas em relação à reforma trabalhista, fazendo movimento ao “centro”.

Próximas pesquisas eleitorais… O Instituto Paraná Pesquisas divulgará pesquisa de intenções de voto para presidente em SP a partir de hoje (18), segundo o TSE. Além disso, outra pesquisa considerando apenas o RJ deve sair a partir desta 6ª (20).

Sobre a recente “pernada” dos mercados… Nos últimos dias, temos observado à volta do investidor estrangeiro, após meses de saída de recursos da bolsa, por exemplo. Isto, é claro, tem contribuído para a recuperação dos ativos. Embora no ano o Ibovespa acumule alta de “meros” 2,3%; já sobe, desde o último dia 18 de junho (a mínima do ano, quando atingiu 69.814 pontos), quase 12%. É difícil, no entanto, imaginar que o fluxo seguirá forte semanas à frente, diante de tamanha incerteza eleitoral. Vale o registro: em junho (até o dia 12), o investidor estrangeiro já entrou na bolsa local com R$2,2 bi. No ano, a saída acumula é de R$7,7 bi.

Agenda de hoje… No front macro, além do IPC-Fipe da 2ª quadri de julho (+0,37%, ligeiramente acima dos 0,31% esperados pelo mercado), saiu a 2ª prévia do IGP-M de julho (+0,53%, contra 0,42% esperados). À tarde (12h30), sai o fluxo cambial semanal. No front micro, começa a temporada de balanços sobre o 2º tri, com Weg, antes do mercado. Na política, os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT), Alckmin (PSDB) e Meirelles (MDB) participam do Fórum de Mobilidade, organizado pela ANPTrilhos. Temer está na Ilha do Sal, em Cabo Verde. À noite, já estará de volta ao Brasil. E vale lembrar: o Congresso entra hoje oficialmente em recesso (retoma suas atividades dia 1º de agosto).

E os mercados hoje? É dia de vencimento de opções sobre Ibovespa. O dólar tende a seguir movimento externo (viés altista). Em bolsa, recente “pernada” tende a seguir, sem grandes mudanças no noticiário local e internacional. A percepção de risco país, medido CDS de 5 anos, opera estável, ao redor dos 244-245 pontos base.

Ignacio Crespo – Economista

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: +1,93%, aos 78.130 pontos
Real/Dólar: -0,57%, cotado a R$ 3,838;
Dólar Index: +0,50%, 94,985;
DI Jan/21: -07 pontos base; 9,11%;
S&P 500: +0,40% aos 2.809 Mil pontos.

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg. *valores referentes à sessão do dia 31/05.


EMPRESAS:

Weg: Números do 2T18
Impacto: Marginalmente Positivo.

Luis Gustavo Pereira – Estrategista


Jornais:

Folha de São Paulo
– Decisão do STF põe em xeque gestão do lixo no país
– Trump recua e reconhece ação russa nas eleições americanas
– Ofensiva do governo mata ao menos três na Nicarágua
– Bolsonaro desiste de aliança com PR e terá vice militar

O Estado de São Paulo
– Receita vai fiscalizar dinheiro vivo declarado por políticos
– Crédito para imóveis tem sobra de R$ 100 bilhões
– Vacinação cai no Brasil e sobe no resto do mundo
– Por Centrão, Ciro suaviza crítica às novas leis do trabalho

O Globo
– ANS pretende manter regra dos 40% de coparticipação
– Trump recua e culpa mal-entendido
– Servidores da saúde agiam para furar fila do Sisreg
– Ciro diz que acordo de Boeing e Embraer deve ser desfeito

Valor Econômico
– Congresso tenta ampliar benefícios do Rota 2030
– Brasil gasta mais que OCDE com educação
– Decreto trará regra para devolução de concessões
– País chega às eleições “em colapso”

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Ignácio Crespo Rey
[email protected]

Lucas Stefanini
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Ignacio Crespo Ignacio Crespo

Economista

Mestre em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/EPGE), e graduado em Ciências Econômicas pelo INSPER. Foi professor assistente do Mestrado Profissional em Economia do INSPER, ministrando aulas sobre Macroeconomia e Política Monetária. Desde 2013, é o economista da Guide Investimentos, responsável pelas análises de economia nacional e internacional.

159 visualizações

relacionados

Bitnami