Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Mercados Hoje: Inversão repentina

Introdução:

Internacional
• Bolsas invertem movimento e recuam após operação militar americana no Iraque;
• “Assassinato” de militar Iraniano de alta patente volta a reforçar a instabilidade vivida na região;
• Em meio às inúmeras incertezas que rondam o ataque, investidores recorrem a ativos de segurança como forma de se proteger: ouro, yen e dólar avançam;
• O petróleo (Brent crude) atinge máxima de 4 meses, negociado acima dos US$ 69,00/barril;
• Ata da reunião do FOMC de dezembro é destaque na agenda econômica.

Brasil
• Momento de maior aversão ao risco no cenário internacional deve prejudicar o desempenho da bolsa local;
• 2019 registra balança comercial mais fraca desde 2015;
• Commodities representam mais da metade das exportações no ano passado;
• Bolsonaro enxerga dificuldades na implantação do juiz de garantias e culpa Congresso pela sua criação.


CENÁRIO EXTERNO: INVERSÃO REPENTINA

Mercados… Bolsas asiáticas operaram predominantemente em terreno negativo, com bolsas de Tóquio, Hong Kong e Shanghai acumulando perdas na sessão. Na zona do euro, ativos de risco já registram baixas mais acentuadas, com o índice pan-europeu, STOXX-600, recuando 0,9% até o momento. Nos EUA, índices futuros já registram quedas da ordem de 1,5%, sinalizando uma abertura desfavorável também em NY, enquanto o dólar (DXY) volta a ganhar fôlego contra seus principais pares. Na frente das commodities, ativos operam em alta, liderada pelo preço do petróleo (Brent crude), que avança mais de 4,0% e já é negociado acima dos US$ 69,00/barril.

Ataque americano inverte os mercados… Os principais índices de mercado globais inverteram a direção e passaram a cair após a notícia de que uma operação militar americana no Iraque levou à morte de um dos principais líderes militares do Irã, Qassam Soleimani, dentre outros militares iranianos de alta patente. O ataque volta a chamar atenção sobre a instabilidade na região, e a questão que fica agora é se o Irã irá retaliar. O ministro do Exterior Iraniano, Javad Zarif, já chama o ataque de “terrorismo internacional”, ilustrando a insatisfação do governo iraniano com a situação. Vamos acompanhar…

Do risco para a segurança… O evento no Iraque parece ter relembrado investidores dos riscos geopolíticos que ainda existem ao redor do mundo e, além do petróleo – apesar das diversas sanções impostas pelos EUA, o Irã exportou em média cerca de 599.000 barris/dia em 2019 -, impulsionou ativos de segurança como o ouro, o yen e o dólar na manhã desta 6ªF. Em relação aos mercados acionários, ainda é cedo para tirar conclusões definitivas, mas dado o nível elevado em que grande parte dos ativos se encontra no momento é provável que o ataque promova um movimento de correção acompanhado de uma maior volatilidade nos próximos dias.

Na agenda… Como grande destaque da agenda econômica internacional, sai a ata da reunião do FOMC finda no dia 12 de dezembro, às 14h. Naquela ocasião, os formuladores de política monetária optaram por manter a taxa de juros americana estável e o mercado busca agora novas pistas de como esta decisão foi tomada e, mais importante, saber se a visão passada por Jerome Powell – presidente do Fed – na coletiva de imprensa pós-reunião, de que os juros devem se manter em patamares reduzidos, é compartilhada pelos outros membros do comitê.

Mais agenda… Além da ata do FOMC, investidores acompanham o ISM industrial de dezembro e os gastos com construção em novembro (ambos às 12h) nos EUA, buscando novas pistas sobre a saúde da maior economia do mundo, além do índice de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) na Alemanha (10h).


BRASIL: À MERCÊ DE FORÇAS MAIORES

Balança comercial mais fraca desde 2015… Em 2019, o superávit registrado pela balança comercial atingiu US$ 46.674 bilhões, registrando o pior resultado desde 2015, quando o saldo positivo entre as exportações e importações registrou US$ 19,5 bilhões. O baixo superávit de 2019 foi ocasionado por uma queda de 7,5% das exportações. As importações caíram 3,3% durante o mesmo período.

Commodities representam mais da metade das exportações… Os produtos básicos atingiram nova alta de 52% como proporção das exportações brasileiras em 2019. O fato é inédito desde 1997, quando a série histórica começou a ser monitorada. Em 2018, os produtos sem valor agregado representavam 49,8% dos produtos vendidos para o mercado externo. Entre 2018 e 2019, a participação dos produtos manufaturados nas exportações caiu de 36% para 34,6%. Os principais reesposáveis pela alta foram o minério de ferro, o petróleo e os produtos agrícolas. O fato indica que os manufaturados brasileiros perderam competividade no mercado global. A redução no consumo de produtos industrializados pela Argentina, o principal importador destes para o Brasil, que diminuiu quase 33% em 2019, também influenciou o dado.

Bolsonaro enxerga implementação de juiz de garantias como difícil… Em sua live semanal realizada pelo Facebook, o presidente afirmou que enxerga como improvável a implementação do juiz de garantias. A novidade no processo jurídico foi criada por uma emenda, de autoria do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), ao projeto do pacote anticrime. O presidente acredita que a questão deve demorar anos para ser definida. Além disso, Bolsonaro fez desabafo sobre as duras críticas que recebeu quando sancionou o projeto, sugerindo que o eleitorado criticasse com a mesma ênfase o Congresso, de onde surgiu a alteração.

Na agenda… Não existem indicadores relevantes a serem divulgados ao longo do dia de hoje.

E os mercados hoje? Como principal destaque da agenda desta 5ªF, a balança comercial mensal (15h) deve confirmar queda relevante nas exportações. Em dezembro, o superávit deve ser de R$ 4,2 bilhões (Bloomberg). No lado da inflação, o IPC-S deve refletir o aumento expressivo das carnes que tem pressionado todos os índices de inflação no mês, acelerando de 0,49% em novembro para 0,8% em dezembro.

E os mercados hoje? No exterior, a notícia de que uma operação militar americana no Iraque levou a morte de um oficial militar Iraniano de alta patente inverteu o movimento dos mercados, que passaram a operar em baixa na manhã desta 6ªF. Aqui, o mercado deverá repercutir de forma negativa a reversão de dinâmica verificada no exterior, principalmente porque mercados emergentes tendem a sofrer mais em momentos de maior aversão ao risco como este. Em função disto, esperamos um dia de viés baixista para a bolsa local.

 

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: 118.573 (+2,53%);
Real/Dólar: 4,02 (-0,01%);
DI Jan/21: 0,88% (-4 bps);
S&P 500: 3.257 (+0,84%).

*Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.


Jornais:

Folha de São Paulo
– Lei de abuso de autoridade será desafio para Lava Jato
– Promessas de campanha de Bolsonaro pouco andam
– Covas afirma que será candidato à reeleição em SP
– Suspeito de atacar Porta dos Fundos foi para a Rússia

O Estado de São Paulo
– Argentina e disputa entre EUA e China reduzem saldo comercial
– Ghosn discutia produção de filme sobre seu caso com Hollywood
– Suspeito de ataque a produtora viajou para a Rússia
– Delatora diz que vaga em faculdade custava R$ 100 mil

Valor Econômico
– B3 inicia o ano com recorde e corta taxas para pessoa física
– Duto levará gás de Israel para Europa
– Juro menor nos EUA pressiona câmbio no país
– Acordo entre Alcolumbre e Maia impede mudança em rito de MPs

O Globo
– Com freio global, comércio exterior é o pior em 4 anos
– Justiça Eleitoral é lenta em casos da Lava-Jato
– Marina Silva: “Não vejo tendência de melhora na política ambiental”
– Crivella: corrida da reeleição será prova de fogo

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]investimentos.com.br

Equipe Econômica

Conrado Magalhães
[email protected]

Alejandro Ortiz Cruceno
[email protected]

Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

 

*A área de Renda Variável é a responsável  por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
203 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami