Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Internacional 
• PIB do 3T2019 da zona do euro registra estabilidade
• BLS divulgará amanhã seu relatório de emprego, o payroll

Brasil 
• Bolsa local opera em alta e volta a renovar sua máxima histórica
• Aprovação da reforma da Previdência dos militares volta a exercer pressão baixista sobre o CDS de cinco anos
• IBGE publica amanhã o IPCA para o mês de novembro


FECHAMENTO:

Ibovespa: 110.601 (+0,27%)
Real/Dólar: 4,18 (-0,47%)
DI Jan/21: 4,7% (+2 bps)
S&P 500: 3.117 (+0,15%)

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg

PRINCIPAIS ALTAS:

CIEL3: R$ 18,06 (+ 4,95%)
BRAP4: R$ 35,53 (+ 3,16%)
WEGE3: R$ 32,576 (+2,67%)

PRINCIPAIS BAIXAS:

UGPA3: R$ 21,60 (-2,48%)
MRVE3: R$ 18,36 (-1,82%)
GNDI3: R$ 58,94 (-1,67%)


CENÁRIO EXTERNO:

Mercados… Bolsas acionárias globais movimentaram-se em direções mistas ao longo do pregão desta quinta-feira. Investidores europeus e americanos mostraram um maior nível de cautela enquanto esperam algum resultado concreto sobre o firmamento da chamada fase um do acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo. Como mencionamos no Mercados Hoje, o fato de uma nova rodada de tarifas de 15% sobre US$ 160 bilhões em produtos estar marcada para o dia 15 deixou investidores otimistas com relação a uma resolução do conflito, mesmo que parcial. Não obstante, os sinais mais recentes indicam que o acordo parcial pode de fato ser deixado para 2020, deprimindo ainda mais o desempenho econômico dos ativos de risco ao redor do mundo.

Economia europeia…. A Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia, publicou hoje os dados referentes à leitura final do PIB do 3T2019. Em linha com as expectativas de mercado, o PIB da região cresceu 1,2% em termos anuais e 0,2% em termos trimestrais. Decompondo o PIB, observamos que o consumo, ao crescer 0,5% (t/t), teve a maior contribuição para o crescimento do produto. Como a leitura não surpreendeu expectativas, a divulgação não acabou surtindo efeito sobre o STOXX600, que fechou em queda devido às incertezas em torno da disputa comercial. Os gastos do governo, que continuam mantendo crescimento de apenas 0,1% (t/t) junto à relativa falta de resposta por parte da FBCF, continuando dando força à tese de que existe amplo espaço para a política fiscal puxar o crescimento de forma mais vigorosa, até por que a dinâmica de endividamento dos países do bloco não se encontra em estado crítico.

No radar…. Amanhã o BLS (Bureau of Labor Statistics, na singla em inglês) publicará, mais uma vez, o seu famoso relatório de emprego, o payroll. Após os resultados da ADP terem decepcionado as expectativas com relação à criação líquida de empregos, o payroll não deve apresentar resultados tão diferentes. Mesmo que este seja o caso, o mercado de trabalho americano deve seguir robusto. No âmbito da produção, os pedidos de fábrica, bens duráveis e capital devem manter-se estáveis.


BRASIL:

Mercados… Acompanhando a tendência verificada nas negociações de ontem, o Ibovespa continuou a operar em alta e renovou sua máxima intra-diária mais uma vez quando chegou ao patamar dos 110.111 pontos. Investidores continuam continuaram repercutindo os dados positivos do terceiro trimestre, que demonstraram que a economia está finalmente ganhando tração. Lembrando: o principal destaque foi o crescimento de 2% dos investimentos, assim como o desempenho positivo da indústria no lado da oferta. Alimentando por expectativas positivas em torno de um possível desfecho parcial em torno da disputa comercial, o real continuou a ganhar terreno contra o dólar e finalmente voltou a operar abaixo do limiar de R$/US$ 4,20. O CDS de cinco anos (medida de risco país) deu procedimento à dinâmica de ontem e continuou a sofrer uma pressão baixista, repercutindo a aprovação da reforma da Previdência dos militares no Senado. As taxas futuras, por sua vez, também voltaram a operar em queda; movimento que se explica em função da tendência baixista do dólar.

No radar…. Amanhã o IBGE divulgará o indicador de inflação preferido pelo Banco Central para implantar a política monetária, o IPCA para o mês de novembro. O índice deve continuar demonstrando a o ligeiro avanço da inflação em direção à meta de 4,25%. Estimativas de mercado preveem um aumento de 0,47% para o mês. Seu avanço ditará as expectativas em torno do que se espera da política de juros do Copom. Esperamos que o corpo responsável pela determinação da taxa siga em frente com mais um corte de 50 pontos base para encerrar o ano, deixando-a estacionada neste patamar ao longo de 2020.

Petrobras… A petrolífera estatal configurou-se como um dos principais destaques positivos ao longo do pregão. A empresa continuou aproveitando a alta no preço do petróleo que tem se verificado. Com a notícia de que a OPEP pretende continuar com os cortes na oferta da commodity, seu preço nos mercados internacionais opera em alta, impactando positivamente o faturamento da empresa brasileira.

Banco do Brasil…. O banco público situou-se na ponta oposta do pregão, registrando uma das piores desvalorizações do dia. O baixo desempenho do papel da empresa explica-se em função do fato de que qualquer perspectiva de privatização do banco estatal, como deixou claro Bolsonaro, está fora de questão.

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Conrado Magalhães
[email protected]

Alejandro Ortiz Cruceno
[email protected]

Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável  por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Luis Gustavo Pereira Luis Gustavo Pereira

Estrategista

Graduado em Administração de Empresas pela ESPM, com pós-graduação em Economia e Setor Financeiro pela USP e MBA em Finanças pelo INSPER. Tem mais de 8 anos de experiência no mercado financeiro. Atualmente, é o estrategista da Guide Investimentos.

118 visualizações

relacionados

Utilizamos cookies para melhorar a sua navegação

Entendi
Bitnami