Fique por dentro do mundo da economia!


CADASTRE-SE AQUI

Mercados Hoje: Hasta la vista, baby

tags Intermediário

Introdução: O investidor adota um tom de cautela, às vésperas de um semana carregadíssima. No front macro, decisões de bancos centrais (Japão, EUA e Reino Unido). Mais balanços pela frente (nesta 3ª, sairá o da Apple!), e ameaças de Donald Trump (para construir um muro na fronteira mexicana). Assim, dias mais “suaves” ficam para trás. Hoje, o dólar opera misto frente a emergentes, enquanto as bolsas da Europa recuam e as commodities têm alívio. À noite, saem dados da China (índices PMI). No Brasil, aproxima-se o término do período de convenções dos partidos (dia 5 de agosto). As vagas de vice seguem em aberto. Hoje, Bolsonaro e Alvaro Dias participam de entrevistas na TV. No front macro, projeções do mercado ficam inalteradas, segundo o Boletim Focus. No front micro, Itaú, pós-mercado, é um dos destaques.


CENÁRIO EXTERNO: SEMANA (MACRO) CARREGADÍSSIMA.

O “básico” sobre os mercados… Cautela predomina os pregões. Bolsas da Europa recuam, após quedas das bolsas de China (Xangai -0,16%) e Japão (Nikkei -0,74%). Nos EUA, o índice S&P futuro também tem viés mais negativo. O dólar opera misto frente a emergentes; os juros das Treasuries têm viés de alta (10 anos ~2,97%). As commodities passam por alguma recuperação, após quedas acumuladas no mês de julho. O petróleo (brent) sobe, e oscila entre US$74-75/barril; o minério de ferro subiu 0,24% na China, cotado a US$67,65/tonelada.

Uma semana carregadíssima… Os próximos dias serão muito relevantes no front macro internacional. Afinal, haverá reunião de política monetária em alguns dos principais bancos centrais do mundo (Japão, na 3ª; EUA, na 4ª e Reino Unido, na 5ª). Ao contrário dos 2 primeiros (que devem manter os juros estáveis), espera-se que o último suba as taxas, a despeito das incertezas quanto ao Brexit. Além disso, sairão dados do mercado de trabalho americano (o relatório ADP, na 4ª; e o Relatório de Empregos, na 6ª).

Um risco de “shutdown”… Donald Trump ameaçou, via Twitter, “fechar” o governo até a data limite de 1º de outubro, caso os Democratas não aprovem os seus planos de financiamento para construir um muro na fronteira com o México. Isto é algo que pode mexer com os americanos, às vésperas das eleições de novembro (as “midterm elections” , que colocarão em “jogo” todos os 435 assentos da Câmara e 35 dos 100 assentos do Senado).

Na agenda de hoje… Nos EUA, no front macro, sairá a sondagem industrial do Fed de Dallas (11h30). À noite (22h), na China, saem os índices PMI sobre julho. A curiosidade do dia? A ator e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger completa 71 anos.


BRASIL: VAGAS DE VICE AINDA EM ABERTO.

Período de convenções… Aproxima-se o término do período das convenções partidárias (vai até o dia 5 de agosto). Até agora, 6 partidos já lançaram candidatos, e 4 oficializaram o apoio a outras chapas. Algumas, que ainda não realizaram a reunião, já anunciaram as suas decisões. É o caso da confirmação da candidatura de Meirelles (MDB), e a “decisão” do PSB: (i) apoiar Ciro Gomes (PDT) ou (ii) manter-se neutro num 1º turno. Importante: as vagas para vice dos 6 candidatos à Presidência mais “competitivos” ainda estão em aberto.

Ainda sobre a política… Entre os presidenciáveis, destacamos: (1) Alckmin (PSDB), após a recusa de Josué Alencar (PR), negocia outro vice com o “centrão” (segundo coluna de Lauro Jardim, subiram as chances da senadora Ana Amélia, do PP); (2) Bolsonaro (PSL) teria 7 opções de vice, segundo o Estadão; (3) Ciro Gomes (PDT) negocia com o PSB (algo imprescindível para mantê-lo “competitivo”, em nossa opinião); (4) Marina (Rede) conversa com o PV; e (5) Alvaro Dias (Podemos) tenta consolidar uma aliança com partidos nanicos.

Sobre o crédito… Segundo dados divulgados pelo BC, o crédito como percentual do PIB subiu de 46,7% em maio para 46,8% em junho. Considerando o crédito PF, este aumentou 6,2% a/a. O crédito PJ recuou 3,1% a/a (menos do que a contração de 4,0% do mês anterior). Ambos os índices de inadimplência recuaram (tanto PF quanto PJ): o 1º passou de 3,6% para 3,5%; o 2º passou de 3,0% para 2,6%. Por fim, vale dizer que a participação dos bancos públicos voltou a cair: passou de 53,2% em maio para 53,0% em junho.

Sobre o fiscal… Em junho, o resultado primário do governo central foi deficitário em R$16,4 bi. O mercado esperava um déficit de R$12,2 bi. Desta forma, no 1º semestre do ano, o déficit primário atingiu R$32,9 bi, contra os -R$56,5 bi em igual período de 2017.

Boletim Focus: tudo igual… O mercado manteve as projeções de PIB, IPCA, câmbio e Selic para 2018 (em 1,50%; 4,11%; R$3,70 e 6,50%, respectivamente). Para 2019, estas também continuaram inalteradas, de 1 semana pra cá (estão em 2,50%; 4,10%; R$3,70 e 8,00%, respectivamente).

Agenda (macro) de hoje… No front macro, além do Boletim Focus (já comentado), sairá o resultado primário do setor público consolidado (10h30). O mercado espera um déficit de R$15 bi. Mais cedo, 2 indicadores: (1) o Ibre divulgou o índice de incertezas da economia (recuou para 116,8 em julho); e (2) o IGP-M de julho cedeu para 0,51% m/m, após 1,87% em junho.

Agenda (micro) de hoje…Temporada de resultados é destaque. Hypera e Eletropaulo divulgaram na 6ª, pós-fechamento. Para hoje (dentre as litadas no Ibovespa), resultados de Klabin e Raia Drogasil (antes da abertura) e Cielo e Itaú (pós-fechamento). Veja mais no relatório Guide Empresas.

Agenda (política)… Jair Bolsonaro (PSL) estará hoje no Roda Viva, da TV Cultura (22h15). Terá também uma reunião com a advogada Janaina Paschoal (aceitará ser sua vice?). Ao longo da semana (de hoje até 6ª), a GloboNews transmite entrevistas de 2hrs com 5 candidatos ao Planalto (às 22h30): Alvaro Dias, Marina Silva, Ciro Gomes, Bolsonaro e Geraldo Alckmin (nesta ordem).

E os mercados hoje? O ambiente externo não é muito favorável para ativos de risco, mas, por outro lado, não vemos um cenário de “busca por proteção”. Commodities em alta ajudam. Por aqui, temporada de resultados das empresas é destaque. A percepção de risco país, medida pelo CDS de 5 anos, opera estável (ao redor de 210 pontos base). O viés é neutro para mercados locais.

Ignacio Crespo – Economista

Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: +0,58%, aos 79.866 pontos;
Real/Dólar: -0,96%, cotado a R$3,712;
Dólar Index: -0,12%, 94,669;
DI Jan/21: -04 pontos base, 8,900%;
S&P 500: -0,66% aos 2.819 pontos.

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg. *valores referentes à sessão do dia 31/05.


EMPRESAS:

Hypera Pharma (ex- Hypermarcas): Números sólidos no 2º tri
Impacto: Positivo.

Luis Gustavo Pereira – Estrategista


Jornais:

Folha de São Paulo
– Golpes são ameaça a indenizados dos planos econômicos
– Lava Jato já recuperou quase 1/3 do valor que foi desviado
– Servidor de estatal emprestado custa R$ 700 mi por ano
– Hesitação oficial faz sem-teto se fixar no Paissandu

O Estado de São Paulo
– Liminar contra lei espera julgamento há 8 anos no STF
– Páginas não oficiais pedem votos e apoio em rede social
– Hospitais criam programas para captar doações
– Aumento de informalidade não estimula vagas formais

O Globo
– “Miniteles” expandem conexão de banda larga no interior
– Com ex-desafetos, Paes põe foco em contas e segurança
– Mugabe surpreende e dá voto à oposição
– Na Flip, equilíbrio entre literatura, política e mercado

Valor Econômico
– Consumidores fazem mais dívidas para pagar dívidas
– Cadeia de óleo e gás vislumbra a recuperação
– Quixeramobim lidera emprego formalizado
– Empresas dão aulas de política

Contatos

Renda Variável*


Luis Gustavo Pereira – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Ignácio Crespo Rey
[email protected]

Lucas Stefanini
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

Julia Carrera Bludeni
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“
Ignacio Crespo Ignacio Crespo

Economista

Mestre em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/EPGE), e graduado em Ciências Econômicas pelo INSPER. Foi professor assistente do Mestrado Profissional em Economia do INSPER, ministrando aulas sobre Macroeconomia e Política Monetária. De 2013 até agosto de 2018 atuou como economista da Guide Investimentos. Desde então, atua como consultor externo da Guide.

383 visualizações

relacionados

Bitnami